O jardim de infância da Escola Básica N.º 3 de Espinho tem 20 pessoas em quarentena após uma funcionária e uma criança terem sido diagnosticadas com Covid-19, revelou esta sexta-feira o coordenador da Proteção Civil naquele município do distrito de Aveiro.

Segundo Pedro Louro, que acumula o referido cargo com o de comandante dos Bombeiros Voluntários do Concelho de Espinho, no estabelecimento de ensino também é lecionado o 1.º Ciclo, pelo que está em causa um universo global de 500 pessoas, entre alunos, professores e auxiliares, embora só tenha sido encerrada uma sala.

Os dois casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2 foram detetados depois de uma funcionária, sem sintomas, ter sido sinalizada como contacto de risco, na sequência da contaminação prévia de um dos seus familiares.

Após confirmado esse caso, a turma com que a auxiliar trabalhava foi sujeita a testes e comprovou-se a presença do novo coronavírus também numa criança, igualmente assintomática.

A escola continua a funcionar porque só fechámos a sala da turma em questão e a cantina, já que todo o edifício estava com circuitos de circulação separados. Hoje [sexta-feira] ao fim do dia já vamos fazer a desinfeção dos espaços do jardim-de-infância”, disse à Lusa o coordenador da comissão municipal de Proteção Civil.

O número de casos confirmados poderá, contudo, “aumentar nos próximos dias”. Apesar da ausência de sintomas físicos por altura do inquérito epidemiológico aos suspeitos, “é provável que as 20 pessoas em isolamento venham todas a ser testadas — se é que ainda não foram”, acrescentou.

Em Espinho, território com cerca de 33.000 habitantes e 21,4 quilómetros quadrados, o último balanço da autarquia indicava esta terça-feira 16 casos ativos de Covid-19, o que perfazia um total acumulado, desde o início da pandemia, de 153 infetados, cinco óbitos e 132 recuperados.

A Lusa tentou, sem sucesso, ouvir a direção da escola.