Os Estados Unidos da América registaram, na sexta-feira, um novo recorde diário de casos de Covid-19: foram mais de 84 mil, de acordo com as contas da Reuters. O último número mais alto foi confirmado a 16 de julho, quando foram anunciados 77.362 novos casos. São mais de 8.529.000 os casos de Covid-19 detetados nos Estados Unidos desde o início da pandemia.

Esta semana, pelo menos 34 estados norte-americanos sofreram um aumento nos novos casos em relação à semana anterior, segundo os dados da Johns Hopkins University. Na Geórgia, as autoridades de saúde comunicaram o maior aumento diário desde setembro e o mesmo aconteceu no Ohio, que vem a registar novos recordes há três dias, refere a CNN. Em Oklahoma, há quatro dias que são confirmados mais de mil casos.

Este crescimento exponencial é acompanhado pelo aumento de outros números, nomeadamente dos internamentos e óbitos. Jerome Adams, cirurgião-geral dos Estados Unidos, responsável pelas questões de saúde pública, alertou na sexta-feira que o número de hospitalizações cresceu até 75% em vários pontos do país e mostrou-se preocupado com o aumento de mortes que se espera para as próximas semanas. Até ao momento, morreram 224.385 pessoas nos Estados Unidos devido ao novo coronavírus.

Os especialistas esperam também que o número de casos continue a aumentar, temendo que possa chegar em breve aos seis dígitos.”E as mortes vão aumentar vertiginosamente nas próximas três a quatro semanas”, disse Michael Osterholm, diretor do Centro de Doenças Infecciosas da Universidade do Minnesota, à CNN, explicando que a um aumento de mortes, segue-se geralmente um novo aumento de casos, após “duas a três semanas”.

Osterholm já tinha alertado em meados deste mês de outubro, em entrevista à NBC, que “as próximas seis a 12 semanas serão as mais negras de toda a pandemia”, apontando que um dos problemas nos Estados Unidos é a falta de uma linha condutora no que diz respeito às políticas de prevenção. “Não temos uma voz consolidada”, considerou na altura.