Morreu Tonny Bruins Slot, o homem que durante uma década foi o braço direito dos sucessos de Johan Cruyff e que chegou a ser adjunto do Benfica. O treinador holandês morreu este domingo, aos 73 anos, vítima de um cancro que lhe tinha sido diagnosticado em 2016. Ainda integrava a estrutura do Ajax, o clube onde conheceu e passou a colaborar com Cruyff, como membro da direção executiva e analista.

A carreira de Bruins Slot confunde-se com a de Cruyff. O treinador começou por ser adjunto Aad de Mos, no Ajax, e em maio de 1985 assumiu a liderança da equipa quando o técnico principal apresentou a demissão depois de desentendimentos com a direção. Nesse curto período, acabou por conseguir conquistar a Eredivisie, a liga holandesa, com um plantel que incluía nomes como Rijkaard, Koeman, Van Basten e Bosman. Cruyff, lenda do clube e o nome maior do futebol holandês, foi contratado como treinador no início da época seguinte — e Bruins Slot voltou à posição de adjunto, iniciando a partir daí uma parceria de sucesso que atravessaria fronteiras.

No Ajax, juntos, Bruins Slot e Cruyff conquistaram a Taça das Taças e duas Taças da Holanda. Em 1988, Cruyff foi convidado para outro regresso, desta feita ao Barcelona, e levou o adjunto consigo. Na Catalunha, os dois encontraram, formaram e modelaram aquela que ainda hoje é considerada a dream team do clube espanhol: Koeman, Guardiola, Amor, Laudrup, Stoichkov, Romário são apenas alguns dos nomes que passaram por Camp Nou nesse período. Até 1996, o Barcelona ganhou tudo o que tinha para ganhar, incluindo uma Taça dos Campeões Europeus, uma Taça das Taças, uma Supertaça Europeia, quatro ligas espanholas consecutivas, uma Taça do Rei e três Supertaças de Espanha.

Na sequência do despedimento de Cruyff, depois de duas últimas épocas sem conquistar qualquer troféu e com aquele que acabou por ser o fim da carreira de treinador da lenda holandesa, Tonny Bruins Slot foi convidado por um jogador que havia orientado para integrar uma nova equipa técnica. Ronald Koeman, que tinha deixado os relvados alguns anos antes e dado os primeiros passos no novo percurso enquanto adjunto de Guus Hiddink na seleção holandesa, aproveitou os conhecimentos de Bruins Slot quando chegou ao comando do Ajax e levou o treinador consigo durante as passagens seguintes pelo Benfica, PSV, Valencia a AZ Alkmaar. Em Portugal, como se sabe, o sucesso foi limitado.

Koeman, em conjunto com Bruins Slot, chegou à Luz em 2005 para substituir Giovanni Trapattoni, que na época anterior tinha sido campeão nacional e chegado à final da Taça de Portugal. Com um plantel que tinha Karagounis, Miccoli, Simão, Nuno Gomes e Geovanni, o treinador holandês não conseguiu melhor do que um terceiro lugar no Campeonato, a 12 pontos do campeão FC Porto, caiu nos quartos de final da Taça de Portugal e só conquistou a Supertaça, logo no início da temporada. A melhor parte da época foi mesmo a campanha europeia, onde os encarnados só foram eliminados nos quartos de final da Liga dos Campeões com o Barcelona, depois de terem passado um grupo que tinha Villarreal, Lille e Manchester United e de terem eliminado o Liverpool nos oitavos.

Koeman e Bruins Slot saíram no final da época e rumaram então às três aventuras seguintes, que ainda valeram outra liga holandesa, em 2007, com o PSV. Em 2011, já separado de Koeman — que entretanto tinha assinado pelo Feyenoord –, o eterno adjunto optou por aceitar um cargo na direção executiva do Ajax, voltando ao clube de origem. À posição institucional depressa se acumulou uma responsabilidade técnica, com Bruins Slot a assumir o papel de analista de adversários principalmente enquanto Frank de Boer foi o treinador do clube de Amesterdão.

Naturalmente, uma das reações mais emotivas à morte de Tonny Bruins Slot foi a de Ronald Koeman, atual treinador do Barcelona, que através de dois tweets em holandês recordou o técnico. “Um verdadeiro homem do futebol mas sobretudo uma pessoa bonita. Conheci bem o Tonny quando conseguimos êxitos maravilhosos no Barcelona; o Tonny como adjunto do Johan [Cruyff], eu como jogador. Na minha carreira como treinador tive o privilégio de ter o Tonny ao meu lado como um treinador leal e extremamente inteligente no Ajax, Benfica, PSV, Valencia e AZ. Muita força, Lucienne, filhos e netos. Descansa em paz, meu amigo”, escreveu Koeman.