Ainda antes da apresentação em Lisboa do superdesportivo MC20, já a Maserati tinha vendido quase 50% de todas as unidades disponíveis para o nosso país, pois dos sete modelos com dois lugares e 630 cv reservados para Portugal, já só restavam quatro. Ainda assim, depois de uma breve apresentação aos jornalistas, seguiu-se uma revelação reservada para alguns clientes da marca.

A estrela do evento foi obviamente o MC20, de Maserati Corse e 2020, um superdesportivo ao nível de um Lamborghini Huracán ou de um McLaren 600 LT. O desportivo da Maserati monta um motor 3.0 V6 biturbo, que recorre a tecnologia herdada da F1 para atingir uma elevada potência específica (210 cv/litro). Da pré-câmara de combustão ao duplo sistema de injecção e de ignição, são muitas as novidades tecnológicas incorporadas neste modelo, acerca das quais pode ler mais em pormenor aqui:

Maserati MC20 é um superdesportivo com 630 cv e motor central

Para defender os pergaminhos do MC20, bem como o novo e dinâmico momento que a Maserati atravessa – construtor que viu Michael Manley, o CEO da Fiat Chrysler Automobiles, prometer 13 novos modelos nos próximos três anos –, surgiu com surpresa Lapo Elkann, o mais polémico dos netos de Gianni Agnelli, o “L’Avvocato” que criou e dirigiu durante décadas o império da Fiat, que agora controla a FCA.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Recordando que deu os primeiros passos na indústria automóvel como “funcionário” da Maserati, Lapo Elkann revelou que a família lhe confiou a missão de ajudar o CEO da Maserati, Davide Grasso, a recuperar a marca italiana. E nada melhor do que um elemento dos Agnelli para defender os interesses de um dos seus construtores de luxo. Muito dado às artes, Elkann referiu-se ainda ao Fuoriserie, o programa de personalização dos modelos da Maserati, que o Observador já aqui salientou.

13 fotos

A possibilidade de contactar de perto com o MC20 permitiu-nos confirmar que o superdesportivo da Maserati figura sem problemas entre os mais atraentes e bem construídos do mercado, sendo discreto mas elegante, agressivo sem se tornar cansativo ou beliscar uma certa distinção.

No interior, realce para a qualidade dos materiais utilizados – fibra de carbono e pele –, bem como para a mestria dos acabamentos, apontando armas aos clientes que querem emoção, mas sem ser à custa de abrir mão da qualidade e do requinte.

De acordo com Miguel Costa, o responsável da C. Santos VP pelas marcas de luxo, entre as quais se encontra a Maserati, a produção do MC20 já arrancou em Modena, com as entregas das primeiras unidades destinadas ao mercado português a chegarem ao nosso país em Março de 2021, por valores que dependem do nível de equipamento exigido pelo clientes, mas sempre acima dos 269.053€.