Cerca de 4,4% dos cidadãos em Wuhan, a cidade no centro da China onde foram detetados os primeiros casos de Covid-19, têm anticorpos contra o novo coronavírus SARS-CoV-2, segundo um estudo divulgado esta segunda-feira 28 de dezembro.

O estudo, realizado pelo Centro de Controlo de Doenças (CDC) do país asiático, baseia-se numa amostra de cerca de 34.000 pessoas, em Wuhan, nas restantes cidades da província de Hubei, da qual Wuhan é capital, e em seis outras regiões que, juntas, somam mais de 341 milhões de habitantes: Pequim (norte), Liaoning (nordeste), Guangdong (sudeste), Sichuan (centro) e Xangai e Jiangsu, ambas no leste do país.

Em Wuhan, 4,4% dos participantes revelaram anticorpos contra o vírus. Nas restantes cidades de Hubei, aquela cifra fixou-se em 0,44%.

Hubei, e especificamente a sua capital, é de longe a área que mais casos registou na China.

Nas demais áreas analisadas, onde foram realizados testes sorológicos junto de 12 mil pessoas, apenas em duas refiões foi detetada a defesa contra o agente infeccioso.

“Os resultados da pesquisa mostram que o nível de infeções entre a população da China é baixo, indicando que o controlo da epidemia, com Wuhan como principal frente de batalha, foi bem-sucedido e preveniu efetivamente a propagação em larga escala”, apontou o CDC, na sua conta oficial na rede social WeChat.

Apesar de alguns surtos esporádicos – que aumentaram nas últimas semanas – a China mantém a epidemia praticamente sob controlo há vários meses.

Segundo dados oficiais, desde o início da pandemia, o gigante asiático detetou quase 87 mil casos de covid – embora esta estatística não inclua os assintomáticos – e 4.634 mortes.