Portugal é o quinto país da União Europeia com mais polícias per capita, mas 20% a 30% destes profissionais estão responsáveis por serviços burocráticos, ou seja, atrás de secretárias. Os números são avançados esta quarta-feira pelo Jornal de Notícias.

Segundo o diário, que cita dados compilados pela Pordata, no final de 2018, Portugal tinha mais de 450 polícias por cada 100 mil habitantes, um número que tem estado a subir e que coloca o país no quinto lugar da UE, em termos relativos. Em primeiro lugar está o Chipre (566 polícias por 100 mil habitantes) e em último a Finlândia (139).

O presidente do Observatório da Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo, António Nunes, defende ao jornal que os números podem ser “enganadores” porque há polícias afastados do trabalho operacional, responsáveis por “entregar notificações” ou “emitir contraordenações”. Pede, por isso, uma revisão do “modelo atual”. O Ministério da Administração Interna (MAI) responde que pretende “aprofundar as soluções de partilha de recursos entre as forças e serviços de segurança”, como a GNR e a PSP, com a “integração das estruturas de apoio”, no sentido de alocar “elementos policiais para a atividade operacional”.