O Manchester City está a ser acusado de manter um esquema ilegal em que pagava mensalmente um salário ao pai de um jovem jogador sem que este cumprisse qualquer serviço ao clube inglês. De acordo com a denúncia feita pelo pai de Gabriel Almeida, médio brasileiro que assinou pelos ingleses em 2011, o clube criou um contrato fictício e transferiu uma quantia mensal durante cerca de nove meses.

A história foi revelada pelo site The Athletic, que falou com pai de Gabriel Almeida. O brasileiro, atualmente com 24 anos, chegou ao Manchester City com apenas 14 e depois de ter passado pelas camadas jovens do Sporting, do Tottenham e do Flamengo. Em 2011, o médio era um dos nomes mais falados nas academias europeias mas estava ainda legalmente impedido de assinar um contrato profissional — ou seja, mesmo estando ligado ao Manchester City, era livre para negociar com outros clubes até completar 16 anos.

Ora, para prevenir precisamente este tipo de situações, as regras da Premier League são claras: “Nenhum clube deve seduzir ou tentar seduzir um jogador a ser inscrito nas camadas jovens desse clube ao oferecer-lhe, a ele ou a qualquer pessoa ligada ao jogador, seja direta ou indiretamente, um benefício ou pagamento de qualquer tipo, seja em dinheiro ou de outra forma”. Para contornar esta proibição, é normal e recorrente que os clubes de futebol contratem familiares dos jovens jogadores para garantir que estes aceitam jogar por aquele emblema e não tentam forçar saídas. O caso do pai de Gabriel Almeida, porém, é diferente.

De acordo com o The Athletic, o pai do jogador — que passou pelo Sporting entre 2003 e 2006, na equipa de futebol 7 dos leões — nunca desempenhou qualquer tipo de funções para o Manchester City. “A verdade é que me pagavam um salário, mas nunca trabalhei. Nem sequer falava inglês. Inscreveram-me num curso de scouting onde fui duas vezes mas para marcar presença, apenas. Era tudo uma mentira”, explicou o brasileiro, revelando que entre setembro de 2011 e junho de 2012 recebeu mensalmente 1.120 euros como suposto olheiro dos citizens.

Através de um porta-voz, o Manchester City negou todas as acusações e indicou que os “registos limitados” que existem, devido “à natureza do trabalho envolvido e à significativa passagem de quase uma década”, indicam que o pai de Gabriel Almeida foi um “olheiro casual” durante o período em que o brasileiro representou o clube: e que, por isso mesmo, foi reembolsado. Algo que o pai do jovem jogador — que saiu do City em 2014 e está agora no Tupynambás, do quarto escalão do futebol brasileiro — diz não ser verdade.