O aiatola Ali Khamenei reiterou este domingo, a propósito do acordo nuclear, que o Irão estava pronto para retornar ao cumprimento total do acordo se Washington levantasse as suas sanções.

“A posição do país em relação ao acordo alcançado em Viena em 2015 foi claramente anunciada. Não há como nos desviarmos. A posição implica que os americanos levantem todas as sanções, e então verificaremos se foram de facto levantadas. Se realmente forem, retornaremos aos nossos compromissos”, disse o líder iraniano durante um discurso transmitido pela televisão por ocasião do Ano Novo iraniano.

Khamenei acrescentou que esta posição “é irrevogável”, confirmando o que já tinha anunciado em janeiro.

O Acordo de Viena prevê um alívio nas sanções internacionais ao Irão por troca de restrições no respetivo programa nuclear. Inclui ainda que sejam dadas garantias, verificadas pela ONU, que provem o cumprimento do acordado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A denúncia do ex-Presidente dos EUA, Donald Trump, do acordo em 2018 e o restabelecimento das sanções económicas pelos americanos contra Teerão, mergulharam o Irão numa recessão profunda.

Em resposta, o Irão começou, em 2019, a não cumprir alguns dos principais compromissos e, em particular, os sobre os limites impostos pelo acordo sobre atividades de enriquecimento de urânio.

A chegada do democrata Joe Biden à Casa Branca em janeiro, e os esforços para tentar colocar o acordo de Viena de volta em cima da mesa parecem estar em um impasse.

Para prosseguir com o levantamento das sanções, como solicitam os iranianos, Washington exige que Teerão retome a aplicação total e completa do texto.

“Não consideramos as promessas dos americanos verdadeiras. Dizer que o vão fazer no papel e depois manter as sanções na prática não é aceitável”, referiu Khamenei.