Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi reduzida a cinzas grande parte da coleção da Biblioteca Jagger, repositório literário com 200 anos na Universidade da Cidade do Cabo. Dois séculos de história e literatura foram queimados no passado domingo, entre os quais uma coleção de obras africanas única no mundo, investigações da época do apartheid, milhares de mapas e manuscritos, teses de doutoramento ou pinturas indígenas da fauna e flora retratadas no século XIX.

O arquivo tinha mais de 65 mil volumes, 26 mil folhetos e cartazes, 3 mil filmes africanos, 20 mil peças audiovisuais, e outros milhares de manuscritos e registos sonoros. Há ainda outra secção menos danificada, mas também em risco, segundo o Times Live. Veja o estado em que ficou o interior da biblioteca:

O incêndio iniciado no parque florestal de Table Mountain, este fim de semana, alastrou-se e acabou por provocar danos irreversíveis na universidade e nos edifícios ao seu redor. Vários estudantes tiveram que abandonar o campus universitário.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mais de 200 bombeiros, incluindo helicópteros,fizeram de tudo para evitar a propagação das chamas pelo edifício. Veja aqui o vídeo:

A diretora executiva da Biblioteca, Ujala Satgoor, reconheceu esta quarta-feira, em declarações à Reuters, ter sido uma perda devastadora: “Sinto uma tristeza profunda, algumas coisas são insubstituíveis”. Académicos e historiadores africanos estão de luto pelo desaparecimento de “uma coleção africana única no mundo”, disse ainda.