Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

O mais épico para o fim. O último dia da 46ª edição do Portugal Fashion ficou marcado por um desfile nas alturas. A dupla portuguesa Marques’Almeida subiu à maior ponte pedonal suspensa do mundo (junto aos Passadiços do Paiva, em Arouca) e foi lá que apresentou a coleção do próximo inverno. Com uma passerelle de mais de 500 metros, pendurada a 175 metros do solo, as imagens ficam para a posteridade.

Desde que a pandemia começou que Marta Marques e Paulo Almeida têm trocado a azáfama londrina pela tranquilidade do norte do país. Nas últimas estações, o foco dos designers tem estado no compromisso da marca com os objetivos estabelecidos no M’A Environmental and Social Responsibility Manifesto. Além do cenário impressionante, a coleção apresentada este sábado é, ela própria, uma conquista para a Marques’Almeida.

Sem fibras à base de petróleo, com toda a produção a ser garantida localmente e com novos processos de tingimento partir de desperdícios, a marca caminha a passos largos rumo à sustentabilidade. O algodão usado na coleção é reciclado e foram ainda utilizadas fibras biodegradáveis, bem como um material feito a partir de resíduos de plástico retirados do oceano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Das novas promessas do Bloom aos veteranos Alves/Gonçalves

O sábado arrancou com os dois vencedores da última edição do Bloom. Maria Carlos Baptista, que em março viu a sua coleção ser apresentada durante a Semana da Moda de Paris, e Marcelo Almiscarado desceram à cave da Alfândega do Porto para apresentar as suas propostas para o próximo inverno. Mas entre os novos talentos, foi, mais uma vez, Rita Sá o nome em destaque. A coleção “Nem ata nem desata” surgiu inteiramente pintada de preto e aproximou a designer do streetwear.

Decenio apresenta uniformes da equipa olímpica portuguesa no Portugal Fashion

O desfile de calçado de Luís Onofre e a apresentação dos uniformes para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 também ocuparam lugar no calendário do último dia. A fechar esta edição esteve a dupla Alves/Gonçalves. Os veteranos voltaram a escolher um ambiente noturno para apresentar a sua coleção, uma mescla de futurismo e artesanato, que se traduziu em silhuetas alongadas por vestidos e casacos. Os reflexos criados por acabamentos metalizados contrastaram com texturas resultantes de artes manuais. O negro predominou, ainda que com apontamento de verde, rosas, laranja e azuis. Veja as imagens deste e dos outros desfiles na fotogaleria.