270kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Os penáltis revertidos, o golo anulado e o segundo cartão pedido para Sérgio Oliveira e Pepe: os cinco grandes casos do clássico

Benfica teve dois penáltis sobre Rafa e Diogo Gonçalves revertidos e um golo anulado pelo VAR a Pizzi mas foi o segundo cartão amarelo pedido que aumentou protestos – e levou à expulsão de Rui Costa.

i

Artur Soares Dias foi rever as imagens no lance do penálti sobre Diogo Gonçalves, considerando que foi o lateral a pisar o pé de Zaidu e não o contrário

Pedro Fiuza

Artur Soares Dias foi rever as imagens no lance do penálti sobre Diogo Gonçalves, considerando que foi o lateral a pisar o pé de Zaidu e não o contrário

Pedro Fiuza

Artur Soares Dias como árbitro principal, João Pinheiro no VAR. João Pinheiro como árbitro principal, Artur Soares Dias no VAR. De forma quase unânime, a nomeação para o clássico entre Benfica e FC Porto na Luz teria de passar de forma inevitável por aqueles que são considerados os dois melhores juízes da atualidade, acabando por imperar a primeira opção com o portuense de 41 anos, recentemente escolhido para o Europeu e para os Jogos, a ficar em campo. E o encontro não seria fácil, com três decisões de relevo revertidas pelo VAR.

O primeiro jogo em 5G foi decidido pelo VAR e “deu” o título ao Sporting (a crónica do Benfica-FC Porto)

Os encarnados pediram por mais do que uma vez o primeiro cartão amarelo para Otávio no primeiro quarto de hora (até por ter metade das seis faltas dos azuis e brancos) mas a sanção inicial acabou por recair sobre Sérgio Oliveira, por uma entrada por trás sobre Everton (15′), já depois de um lance que suscitou algumas reclamações do banco dos dragões que envolveu Vertonghen e Marega, deixando ambos os jogadores no relvado (9′). Pouco depois, por uma falta sobre Rafa, o banco do Benfica pediu segundo amarelo para Sérgio Oliveira (18′), algo que aconteceria ao contrário dez minutos depois com menor exuberância nos protestos em relação a Weigl (28′).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

[Ouça aqui a análise do ex-árbitro Pedro Henriques no Sem Falta da Rádio Observador]

“Pepe devia ter visto segundo cartão amarelo de forma clara”, aponta ex-árbitro Pedro Henriques

[Clique nas imagens para ver os principais lances do Benfica-FC Porto em vídeo]

Ainda assim, o principal caso da primeira parte estava reservado para o último minuto, com Rafa a surgir isolado por Pizzi, Wilson Manafá a derrubar na área o internacional português, Artur Soares Dias a assinalar grande penalidade mas o VAR a reverter a decisão por fora de jogo de 19 centímetros no início da jogada.

No segundo tempo, Artur Soares Dias teve de avaliar menos lances complicados mas todos eles tiveram uma intervenção direta no resultado, sendo que um deles, aquele que não teve auxílio do VAR ao contrário do que aconteceu com o penálti revertido sobre Diogo Gonçalves e o golo anulado a Pizzi, foi o grande foco dos protestos encarnados, pedindo a expulsão por segundo cartão amarelo do central Pepe aos 80′.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.