Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O exército português abriu um “processo de averiguações” para apurar as cirscuntâncias em que ocorreu um momento no qual vários militares entoam o cântico de apoio ao Sporting “Só eu sei porque não fico em casa”, confirmou a entidade ao Observador. De acordo com declarações do Estado-Maior do Exército, as imagens “reportam-se a um momento de intervalo dos treinos para uma cerimónia militar, com soldados recrutas”.

O vídeo desse momento, que tem sido amplamente partilhado nas redes sociais desde o final desta semana, mostra vários membros do Regimento de Guarnição n.º3, no Funchal, como foi inicialmente noticiado pela Rádio Renascença. O Observador questionou o exército quanto às consequências que podem decorrer deste processo, assim como quanto ao motivo para a abertura do mesmo, não tendo o Estado-Maior do Exército prestado mais justificações.

Em redes sociais como o Twitter, onde o vídeo foi partilhado, houve quem elogiasse os militares, assim como quem os criticasse. O economista António Nogueira Leite, escreveu na sua conta pessoal que este momento não era adequado para o exército, dizendo que mostra um “país a caminho do circo permanente”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta não é a primeira vez que militares se associam a clubes de futebol nacional. Ainda esta sexta-feira, como noticiou o Correio da Manhã, a 8.ª Força Nacional Destacada na missão das Nações Unidas na República Centro-Africana (RCA), que regressou esta sexta-feira após seis meses no local para uma “Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da RCA”, distribuiu numa ação de solidariedade material desportivo oferecido pela Fundação Benfica alusivo aos encarnados. O mesmo aconteceu com o Sporting em abril.

Na terça-feira à noite, o Sporting Club de Portugal consagrou-se campeão nacional da 1ª liga após 19 anos desde a última vez que conquistou esse título.