Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ana Gomes entende que António Costa deve explicações ao país pela prática reiterada de envio de dados de manifestantes para organizações diretamente visadas pelos protestos que acontecem em Lisboa — tal como aconteceu com os três ativistas anti-Putin que viram os seus dados pessoais enviados para as autoridades russas.

No seu habitual espaço de comentário na SIC Notícias, a socialista argumentou que, se esta é uma “prática que vem desde 2011”, talvez António Costa “nos possa ajudar a compreender” o porquê de haver um protocolo sem qualquer “sustentação na lei”. “Acontece que António Costa ainda não falou”, lamentou a ex-candidata presidencial.

Sobre Fernando Medina, Ana Gomes defendeu que o “pedido de desculpas não chega” e exigiu que se apurasse tudo o que falta apurar. “O que está em causa é muito mais do que um erro. É um crime“, defendeu a socialista.

A embaixadora e antiga eurodeputada criticou ainda a falta de intervenção do Ministério dos Negócios Estrangeiros tutelado por Augusto Santos Silva e lamentou a leviandade com que foi acolhida o compromisso da embaixada russa de apagar os dados pessoais dos três ativistas, dois deles também com cidadania portuguesa. “A Rússia de Putin não apaga nomes. Costuma apagar os opositores“, disse.

A terminar, Ana Gomes levantou uma suspeita com base nas declarações de Ksenia Ashrafullina, que já veio a público dizer que denunciara o caso a jornalistas portugueses que o terão ignorado. A socialista relacionou essa alegada omissão com o calendário eleitoral — estavam a disputar-se eleições presidenciais — e sugeriu que houve motivações políticas nessa suposta decisão eleitoral. “Escolheram meter [a história] no bolso“, atirou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR