Na sede do movimento “Aqui Há Porto”, em plena Avenida dos Aliados, o sentimento de confiança era grande ao final da tarde, mas as projeções anunciadas às 21h caíram como um balde de água fria. Todos pareciam dar como garantida a maioria absoluta no terceiro e último mandato de Rui Moreira no Porto, mas a dúvida permaneceu até às 4h30, hora em que a contagem dos votos nas sete freguesias foi concluída. O independente conquistou 40,72% dos votos e elegeu seis vereadores, menos um que em 2017, quando foi reeleito para o cargo com maioria absoluta, tendo conseguido 44,46% dos votos.

Sem maioria no executivo municipal, Rui Moreira tem agora como oposição três vereadores eleitos pelo PS, dois pelo PSD, um pela CDU e um pelo BE, que pela primeira vez elege um vereador. Também na assembleia municipal o independente não alcançou a maioria, elegendo 15 mandatos contra oito do PS, oito do PSD, três da CDU, três do BE, um do PAN e um do Chega, partido que chega pela primeira vez a este órgão municipal

Sem saber ainda se conquistaria ou não a maioria no executivo municipal, o presidente reeleito para o seu terceiro e último mandato subiu ao púlpito da sede pelas 2h30 e foi recebido com aplausos, bandeiras e vários cânticos de vitória. No discurso, Moreira não fechou a portas a futuras coligações. “Podemos fazer muitas coisas: pode-se governar em minoria ou pode haver entendimentos com partidos, mas estas coisas não dependem só de um”, afirmou.

Tal como em 2013, o independente vence o Porto sem maioria e abre a porta a futuras coligações

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.