Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Depois de anos a afirmar que os pequenos citadinos eram demasiado caros de produzir – sobretudo agora que têm de incluir os mesmos sistemas antipoluição e de segurança dos modelos de maiores dimensões – e que, quando não eram deficitários, deixavam margens de lucro pouco aliciantes, eis que os construtores estão a voltar a dedicar atenção aos mini carros, com menos de 3,5 metros de comprimento. Se a Peugeot e a Citroën abandonaram a produção dos seus 107 e C1, que produziam em parceria com a Toyota, o gigante japonês mantém-se fiel ao Aygo, mas fê-lo evoluir de mini para mini SUV.

Toyota avança (mesmo) com o irreverente Aygo X

O Grupo Volkswagen, que já retirou da maioria dos mercados os seus citadinos Mii, Citigo e up! com motores de combustão, está em vias de descontinuar as versões eléctricas dos mesmos minis, mas com o objectivo de os substituir, em alguns dos casos por SUV. Para isso necessita de duas novas plataformas, uma para utilizar motores de combustão, a MQB-A0, e uma segunda e completamente distinta para veículos exclusivamente eléctricos a bateria, a MEB Small.

6 fotos

Em termos de estratégia para o futuro, o grupo alemão anunciou agora que será a Skoda a desenvolver a plataforma MQB-A0, muito provavelmente recorrendo às suas fábricas para produzir a nova geração dos três minis do grupo, para aproveitar os baixos custos de produção da República Checa. De salientar que esta pequena plataforma será uma das soluções globais da Volkswagen AG, destinada a produzir veículos para os mercados da América Latina, África, Rússia, Índia e alguns países asiáticos de menores dimensões, mas não a Europa.

O desenvolvimento da MEB Small, a base para os próximos minis eléctricos – que se assume como uma versão mais pequena da MEB utilizada pelos VW ID.3 e Audi Q4 e-tron, mas com tracção dianteira – ficará a cargo da VW. Ainda não foi anunciado quem vai garantir a produção, mas tudo indica que será a Seat a assumir essa responsabilidade, com a marca e o Governo do país apostados em garantir o investimento. A correr bem, será Espanha a produzir cerca de 500.000 pequenos eléctricos por ano, o que inclui modelos como o VW ID.2 e o Cupra UrbanRebel, além dos substitutos do Seat Mii Electric e do Skoda Citigo iV.