Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A EDP e a Sonatrach anunciaram o fim da parceria que mantinham há 14 anos no quadro do desenvolvimento das centrais a ciclo combinado. Em comunicado, a elétrica presidida por Miguel Stilwell de Andrade diz que o fim da parceria termina as relações comerciais com a empresa estatal argelina que é fornecedora de gás natural a Portugal e à EDP. Um dos desenvolvimentos desta decisão é a compra à Sonatrach da participação de 25% na central de ciclo combinado de Soto 4, em Espanha, cujo abastecimento era assegurado por esta aliança comercial.

A Sonatrach tem mantido uma posição de 2,2% no capital da EDP e um lugar no conselho geral e de supervisão da elétrica, mas não há referência no comunicado sobre se os argelinos estarão vendedores desta posição. A elétrica diz apenas que o fim da ligação à Sonatrach na central espanhola “fornece à EDP flexibilidade adicional para gerir a transição para a neutralidade carbónica com 100% de produção de eletricidade a partir de fontes renováveis até 2030.”

A interrupção da parceira surge num momento de grande volatilidade no mercado mundial do gás natural, causado por um aumento da procura e pela escalada dos preços, mas também por falhas no abastecimento e insuficiência de aprovisionamento. Estes fenómenos têm sido potenciados por conflitos geoestratégicos com o que opõesa Argélia a Marrocos sobre o gasoduto que abastece a Península Ibérica.

A Argélia é um dos fornecedores históricos de Portugal com contratos a longo prazo desde os anos de 1990. No entanto, a importância do gás recebido via gasoduto pelo norte de África e Espanha tem vindo a cair, representando menos de 10% do consumo nacional. Mas se a Argélia pode não ser um problema para Portugal, já a Nigéria que fornece gás natural liqueito (GNL) tem falhado alguns fornecimentos contratados com a Galp que é a entidade titular dos contratos de aprovisionamento de gás.

Esta semana, o presidente executivo da Galp, Andy Brown, admitiu numa conferência com analistas que se têm registado falhas na entrega de gás, sem identificar o fornecedor, o que tem obrigado a recorrer a compras no mercado spot onde os preços são mais elevados para fornecer os seus clientes. A Galp, revelou, preparou um plano de contingência para responder a eventuais problemas no abastecimento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR