Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A farmacêutica MSD (Merck Sharp & Dohme) e a parceira Ridgeback Biotherapeutics esperam ter 10 milhões de tratamentos de molnupiravir — o antiviral contra o coronavírus SARS-CoV-2 — disponíveis até ao final do ano de 2021 e continuar a produção em 2022, informaram em comunicado de imprensa.

MSD anuncia que comprimido antiviral reduz risco de morte com Covid-19 para metade

O medicamento desenvolvido nos Estados Unidos (onde a empresa tem o nome de Merck & Co.) já está a ser avaliado pelo regulador norte-americano (FDA) e europeu (EMA). A Organização Mundial da Saúde (OMS) também está a avaliar o seu uso e aguarda a aprovação dos reguladores.

As farmacêuticas vão ceder a licença de produção do medicamento de forma a poder chegar mais facilmente a 105 países de rendimentos baixos e médios, que estejam cobertos pelo acordo e que não tenham violado patentes no passado, anuncia a OMS em comunicado de imprensa.

Como parte do nosso compromisso para garantir um acesso global, a MSD anunciou previamente o estabelecimento de acordos de licenciamento voluntário não exclusivos com produtores indianos de genéricos para acelerar e expandir o acesso global a molnupiravir em mais de 100 países de rendimento baixo e médio, após as necessárias aprovações locais”, informou a empresa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A MSD anunciou ainda que “planeia implementar uma abordagem de preços diferenciados com base no critério de rendimento definido pelo Banco Mundial, que reflete a capacidade dos países em financiar a sua resposta em saúde à pandemia”.

Os ensaios clínicos do medicamento mostraram que, quando usado em doentes adultos não hospitalizados com Covid-19 ligeira a moderada, mas com risco acrescido de progredirem para doença grave e internamento, o tratamento reduzia o risco de hospitalização e morte em 50%, segundo dados da empresa.

O tratamento é feito até cinco dias após a deteção da doença e dura cinco dias.

Antivírico apresenta resultados positivos no tratamento de doentes com Covid-19

As farmacêuticas estão também a testar o seu uso profilático, ou seja, como prevenção da infeção no caso dos agregados familiares em que há uma ou mais pessoas infetadas, com forma de prevenir que os membros da família saudáveis sejam infetados.