Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O escritor peruano Mario Vargas Llosa, Prémio Nobel da Literatura, declarou, na quarta-feira, a sua preferência por Bolsonaro para vencer as eleições presidenciais do Brasil, nas quais deferá enfrentar o ex-Presidente Lula da Silva.

O escritor de 86 anos falou durante uma palestra na capital do Uruguai, Montevideu, sobre a conjuntura latino-americana. “O caso de Bolsonaro é extremamente difícil“, disse, de acordo com o The Guardian.

As palhaçadas de Bolsonaro são muito difíceis para um liberal aceitar”, explicou. “Mas, entre Bolsonaro e Lula, eu prefiro, claro, o Bolsonaro. Mesmo com as suas patetices, não é o Lula.”

Para o escritor, Lula tem demasiado apoio na Europa, apesar de “ter sido um ladrão” — referindo-se aos problemas com a justiça do antigo Chefe de Estado brasileiro. Bolsonaro, contudo, não foi poupado a críticas, tendo o peruano afirmado que  a sua abordagem às vacinas da Covid-19 “foi uma loucura”.

A sua oposição às vacinas é um absurdo. Parece-me absolutamente irresponsável”, disse o escritor na capital uruguaia.

Conhecido pela sua posição política de direita, Mario Vargas Llosa candidatou-se, em 1990, a Presidente do Peru, tendo ficado em segundo lugar, atrás de Alberto Fujimori.  Nas últimas eleições peruanas, realizadas o ano passado, o escritor, contudo, posicionou-se ao lado de Keiko Fujimori, filha do seu antigo rival, em oposição ao candidato de esquerda Pedro Castillo. A eleição foi ganha por este último.