829kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Purgas na cadeia de comando militar da Rússia? Os militares que terão saído por "prestações pobres" na Ucrânia

Este artigo tem mais de 2 anos

Os serviços de informação britânicos garantem que já foram demitidos dois comandantes militares russos desde o início da guerra na Ucrânia. E há um outro que terá perdido influência. Quem são?

Extended meeting of the Russian Defence Ministry Board in Moscow
i

"Não é claro" se Putin "mantém a confiança" em Valery Gerasimov, que até à invasão russa à Ucrânia tinha enorme influência na estrutura de comando militar da Rússia

Russian Presidential Press and Information Office/Anadolu Agency/Getty Images

"Não é claro" se Putin "mantém a confiança" em Valery Gerasimov, que até à invasão russa à Ucrânia tinha enorme influência na estrutura de comando militar da Rússia

Russian Presidential Press and Information Office/Anadolu Agency/Getty Images

Dois suspensos, outro sem a confiança de Putin garantida: esta quinta-feira, 19 de maio, os serviços de informação britânicos informaram que a guerra já provocou baixas em altas patentes russas com responsabilidades na gestão das ofensivas militares do Kremlin na Ucrânia.

Segundo nota publicada no Twitter do Ministério da Defesa britânico, foram já três as figuras de proa do exército russo a ficar em situação periclitante face a “desempenhos pobres” nas primeiras fases da invasão militar, que oficialmente Vladimir Putin continua a garantir estar a correr exatamente como esperado: são eles o tenente-geral Serhiy Kisel, o general Valery Gerasimov e o vice-almirante Igor Osipov.

Os sinais de purgas na cadeia de comando militar da Rússia vão contra uma máxima habitualmente ouvida de que em tempo de guerra não se trocam generais. O ministério da Defesa britânico vai mais longe e fala mesmo numa “cultura de encobrimentos” e de encontro de bodes expiatórios para justificar os erros, que “é provavelmente predominante no exército e no sistema de segurança russo”.

Para os serviços de informação britânico, os sinais têm um efeito claro: muitos dos oficiais envolvidos na invasão à Ucrânia “vão ser cada vez mais distraídos por esforços para evitar serem pessoalmente culpados pelos contratempos operacionais da Rússia”. Tal “irá provavelmente aumentar a tensão no modelo centralizado de comando e de controlo da Rússia” e “será difícil à Rússia recuperar a iniciativa” militar face às forças ucranianas “nestas condições”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As três altas patentes com “prestações pobres” na Ucrânia

Dos três nomes mencionados pelos serviços de informação britânicos, todos tinham uma liderança militar reconhecida mas o mais conhecido no meio e aquele que mais influência tinha na estratégia militar russa é o general Valery Gerasimov, chefe do Estado-Maior da Rússia.

Visto como um dos grandes pensadores militares e decisores táticos da estratégia adotada pelos vários esquadrões russos presentes na Ucrânia, sendo aliás descrito como o principal comandante das forças invasoras em território ucraniano (e uma das figuras da Defesa de maior confiança de Putin, até à guerra), Gerasimov “provavelmente mantém-se no cargo” mas não é claro se ainda “mantém a confiança do Presidente Putin” nas suas capacidades.

A dúvida é levantada agora pelos serviços secretos britânicos, mas a especulação em torno do assunto já não é recente — só não tinha sido corroborada por uma fonte tão confiável. Um conselheiro do Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, Oleksiy Arestovych, até já tinha sugerido que Valery Gerasimov teria sido demitido. Citara então “informação preliminar” que apontava nesse sentido.

Aparentemente não se confirma a informação, avançada pelo conselheiro de Zelensky numa altura em que o desaparecimento do espaço público de Gerasimov (tal como do ministro da Defesa, Sergei Shoigu) era muito comentado nas redes sociais e levantava suspeitas. Mas a aparente ausência de Gerasimov da parada militar do “Dia da Vitória”, a 9 de maio, causou surpresa: não surgiu pelo menos nos planos habituais, junto a Vladimir Putin ou ao ministro da defesa Sergei Shoigu.

Extended meeting of the Russian Defence Ministry Board in Moscow Vladimir Putin Attends Military Academy Reception Turkey's 1st nuclear power plant Akkuyu breaks ground Russian President Vladimir Putin Meeting With Military Commanders

Até à invasão à Ucrânia e ao início da guerra russa neste país, Valery Gerasimov era um dos comandantes militares em que Putin mais confiava, o que poderá ter mudado

Russian Presidential Press and Information Office/Anadolu Agency/Getty Images

As “prestações pobres”, ou pelo menos aquém do planeado, de algumas unidades e batalhões russos na Ucrânia também terão feito Vladimir Putin mudar de opinião sobre Igor Vladimirovich Osipov — mas neste caso fizeram mesmo o Presidente russo demitir o seu comandante da frota do Mar Negro, de acordo com os serviços de informação britânicos.

Segundo o ministério de Defesa do Reino Unido, o vice-almirante terá sido suspenso depois do navio russo Moskva ter afundado em abril, na sequência de ataques ucranianos. Igor Osipov, de 48 anos, foi recentemente alvo de sanções da União Europeia. Nascido no Cazaquistão, com uma carreira inteiramente dedicada à defesa russa na área naval, era um comandante condecorado com uma medalha da Ordem de Mérito da Marinha, por “excelência militar” e “esforços de economia marítima”.

Summer training of Russian Black Sea Fleet in Sevastopol

Igor Osipov, fotografado a 1 de junho de 2020

Sergei MalgavkoTASS via Getty Images

Quem também terá sido suspenso de funções foi o tenente-general russo Serhiy Kisel. O militar, que comandava a primeira unidade de elite de artilharia do exército russo, “foi suspenso pelo seu fracasso na captura de Kharkiv”, a segunda maior cidade ucraniana, garante o Governo britânico. Esta unidade, lembra o jornal britânico The Telegraph, já existia na II Guerra Mundial e no combate da União Soviética contra a Alemanha Nazi. Depois de ter sido desmantelada em 1999, voltou em 2014 como unidade de elite.

Na sequência do falhanço da invasão russa à Ucrânia no prazo previsto — e da demora em chegar à capital Kiev —, a especulação sobre possíveis demissões e suspensões de outros comandantes do exército russo foi muita, tendo envolvido várias outras altas patentes do exército como o tenente-general Vladislav Ershov e o major-general Arkady Marzoev.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Apoie o jornalismo independente desde 0,18€/ dia
Ver planos
Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas