Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

É uma crítica recorrente à Justiça portuguesa: é lenta, muito lenta. Uma censura social que existe essencialmente nos processos mediáticos da criminalidade económico-financeira em que os arguidos com maior poder económico conseguem contratar os melhores advogados do país — conhecedores como poucos dos meandros da lei penal. Ex-ministro-adjunto do primeiro-ministro António Guterres e ex-ministro da Juventude e do Desporto, assim como ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos e do Banco Comercial Português, Armando Vara teve ao seu dispor uma defesa a cargo do advogado Tiago Rodrigues Bastos, que fez tudo o que estava ao seu alcance para ilibar o seu cliente durante as diferentes fases processuais.

A questão que se coloca é simples: 11 anos, o tempo que demorou a investigar, acusar, pronunciar, julgar, condenar e decretar o trânsito em julgado de uma pena de cinco anos por três crimes de tráfico de influência para Vara é um tempo comum em casos como o Face Oculta? Ou é um tempo excessivo?

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.