João Cotrim Figueiredo, em modo de Ted Talk, debruçou-se sobre o tema da cultura na política portuguesa para mostrar aos jovens liberais que é preciso começar por mudar as mentalidades. Trocar a segurança pela liberdade, o compadrio pelo mérito e o “respeitinho” pela “desconfiança saudável em relação ao poder”: uma espécie de sete pecados que a IL quer transformar em soluções.

Estavam lançados os dados para uma palestra sucinta sobre uma nova forma de olhar para a política que, sabe o Observador, o presidente da Iniciativa Liberal começou a incutir durante as chamadas Rotas Liberais, em que Cotrim Figueiredo tem marcado presença em vários distritos para trabalhar na aproximação a zonas menos urbanas.

“Mais do que a força dos votos o que está a transformar Portugal é a força das ideias”, começou por realçar o líder liberal, sublinhando que a IL tem não só uma “alternativa política” como uma “alternativa de cultura política” e uma “força de transformação cultural”.

Ponto por ponto, foi desconstruindo a ideia, começando por notar que os cidadãos aceitam com muita facilidade a segurança e a cautela. Citando Benjamin Franklin, Cotrim Figueiredo recordou que “quando trocamos alguma da nossa liberdade por alguma segurança não merecemos nenhuma delas”. “Quando na tensão entre segurança e liberdade houver uma dúvida, estamos do lado da liberdade.”

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.