Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O presidente do Hospital Garcia de Orta, em Almada, não acredita que seja possível contratar até março os cinco médicos necessários para reabrir a urgência pediátrica durante a noite. O serviço está fechado no período noturno desde meados de novembro, por falta de pediatras suficientes para preencher as escalas e foi aberto um concurso para resolver o problema. Na semana passada, em entrevista à TSF e ao DN, a ministra da Saúde tinha apontado o mês de março como mês possível para a reabertura, mas Luís Amaro, em entrevista ao Observador, diz que esse prazo “não é realista” porque não acredita que apareçam os cinco candidatos necessários, como já aconteceu noutros concursos.

O presidente do Conselho de Administração do hospital explica que não era expectável que a situação ficasse resolvida de imediato, porque nos segundos concursos, como este, há sempre menos candidatos. Mas admite também que outros hospitais centrais, na área de Lisboa, podem ser mais atrativos para os profissionais de saúde. A solução, garante, passa por estabilizar e fidelizar as equipas e criar condições para motivar novos médicos. E avisa que o problema que existe agora com a Pediatria pode repetir-se, em breve, no Centro de Desenvolvimento da Criança e na Neonatologia, porque muitos dos elementos da equipa aproximam-se da idade da reforma.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.