Tem sido a voz crítica da Europa contra as Big Tech e o rosto por detrás das multas milionárias que envolvem nomes como a Apple ou a Google. Ao Observador — à margem da Cimeira Social, que decorre no Porto esta sexta-feira e sábado –, Margrethe Vestager deixou mais um alerta às grandes empresas tecnológicas: “Se queres desenvolver uma tecnologia que tira vantagem sobre as pessoas, então, se calhar, a Europa não é sítio para ti”. A vice-presidente da Comissão Europeia e responsável pela pasta da Concorrência tem nas mãos propostas legislativas para regulamentar não só as empresas digitais, como também a inteligência artificial.

Sem descartar novas investigações na área do abuso de posição dominante do mercado a empresas como a Google ou a Amazon — a Apple foi alvo de uma recentemente –, diz que é possível chegar a um acordo global de impostos sobre as tecnológicas “talvez algures este ano”, apesar de o processo ter sido “muito lento” e de se sentir “impaciente quanto à justiça fiscal”. Sobre a suspensão das contas de Donald Trump das redes sociais, Vestager refere que “tende a compreender porque é que o fizeram”, mas que é preciso ter um “mecanismo de queixas transparente, que proteja a liberdade de expressão”.

Quanto ao “sofagate”, que envolveu a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, a comissária dinamarquesa diz ter sido um “abre olhos importante para o quão cuidadoso é preciso ser para haver certeza de que aqueles que nos representam são vistos como iguais que são”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.