O regresso para a liberdade

Maria Barroso à chegada a Lisboa no Sudexpress vindos de Paris. O casal chegou à Estação de Santa Apolónia no dia 28 de abril de 1974.

A marcha da liberdade

Mário Soares, Maria Barroso e Pedro Coelho dirigindo-se para o estádio da Federação Nacional Amigos do Trabalho (FNAT), agora Estádio 1º de Maio, na primeira comemoração em liberdade.

Sorriso fácil

Maria Barroso foi sempre conhecida pelo seu bom humor.

Vitória, vitória

Foi a segunda vez que o casal comemorou uma vitória nas eleições presidenciais, em 1991.

A primeira dama

Maria Barroso com a mulher do embaixador da URSS, Arnold Kalinin, durante o segundo mandato de Soares na Presidência, em 1991.

Acácio Franco

O contacto com o povo

Uma das marcas das presidência de Mário Soares foram as presidências abertas, onde Maria Barroso estava quase sempre presente.

Arquivo DP

Um trio histórico

Nos idos anos 90, o casal Soares com o histórico socialista Manuel Alegre. A relação entre os três sofreu um revés com a candidatura de Soares apoiado pelo PS em 2005 contra Cavaco Silva e Manuel Alegre, este como independente.

Miranda Castela

Um casal para a história

Nem sempre tiveram uma história fácil, mas mantiveram-se juntos até ao fim. Maria Barroso foi mais do que a primeira-dama, foi a mulher que manteve a família enquanto Soares esteve no exílio e que combateu a ditadura ao lado do marido.

Encontro de damas

Maria Barroso levou dez anos a servir como primeira dama, de 1986 a 1996. Aqui, num encontro com a líder britânica Margaret Tatcher.

Arquivo DN

Na luta pelos estaleiros

Maria Barroso manteve sempre uma ação política ativa. Uma das últimas intervenções foi a luta contra o encerramento dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo.

Rui Manuel Fonseca / Global Imagens

Muros de liberdade

Na luta pela liberdade combateram lado a lado. Aqui, na apresentação do livro de Viriato Soromenho Marques, “Muros de liberdade”.

Pedro Rocha