762kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Os melhores sítios para tocar as estrelas no Centro de Portugal

Quando foi a última vez que teve tempo para parar e apreciar o que está à sua volta? Deixe-se emergir no silêncio e aprecie a paisagem, a ponto de tocar o céu e sentir que está nas estrelas.

No Centro de Portugal, são várias as paisagens de cortar a respiração. Do alto de majestosas montanhas, a sensação de estar no topo do mundo é verdadeiramente arrebatadora. Seja porque precisa de um momento para si, seja porque há muito tempo que a aventura e adrenalina não fazem parte da sua vida, seja porque simplesmente anseia por uma dose extra de inspiração…hoje vamos dar-lhe a conhecer alguns dos locais que o farão sentir-se nas nuvens. Ou nas estrelas.

É na Serra da Estrela que poderá visitar a mais alta montanha de Portugal Continental. Torre, o seu ponto mais alto, alcança uns imponentes 1.993 metros de altitude e promete roubar todo o destaque. Ainda assim, ao longo de toda a Serra, poderá encontrar outros cinco picos acima dos 1.500 metros: o Alto da Pedrice, Poios Brancos, Santinha, São Bento e Taloeiros. Se os 1.993 forem demasiado para si, pode sempre começar por estes e ir aumentando o desafio pouco a pouco. Mas nada tema, porque aqui há muito para explorar. Desde as montanhas, à Praia Fluvial de Loriga, ao Poço do Inferno, à única estância de ski do país, à parede vertical de 500 metros, ideal para a prática de escalada, aos trilhos e Aldeias de Montanha, a diversidade de opções de lazer e aventura é vasta.  Se o que pretende é um destino capaz de o absorver por completo, está no sítio certo!

  • Seia
  • Piodão, Coimbra
  • Monte Colcurinho, Oliveira do Hospital
  • Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros

A Serra do Açor, na Região de Coimbra, herdeira do título da 5ª mais alta de Portugal Continental, é outra das montanhas que vai gostar de explorar. O seu ponto mais alto é o Pico de Cebola, com 1.418 metros de altitude. Mas se nas montanhas estará mais perto das estrelas, é nas cinco Aldeias do Xisto desta serra – a Aldeia das Dez, Fajão, Vila Cova de Alva, Benfeita e Sobral de São Miguel que o aguardam incomparáveis noites estreladas de Dark Sky.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Dark Sky, Aldeias do Xisto

Encontre na região de Viseu Dão Lafões, a 8ª montanha mais alta de Portugal Continental, a Serra de Montemuro, recheada de histórias, vestígios arqueológicos e lendas por conhecer. A 1.213 metros, num dos seus pontos mais altos, aprecie um antigo castro de um povoado da Idade do Ferro, também usado como fortaleza pelos romanos e por D. Afonso Henriques – as ruínas da Muralha das Portas de Montemuro. Atreva-se a subir até ao cume de onde pode admirar a Serra da Estrela e a Serra do Gerês. Se ouvir lobos à noite, não se assuste. Esta Serra – juntamente com as Serras da Freita, Arada e Arestal – é conhecida como parte das “Montanhas Mágicas”. Aqui, tudo é possível. O que não é possível, é ir embora sem visitar a Serra do Caramulo, conhecida pela qualidade das suas águas e pureza do ar. É do seu ponto mais alto, o Caramulinho – a 1.076 metros – que poderá ter a sorte de avistar o mar, em dias de céu limpo. Mar e ar puro…a receita perfeita para afastar todos os males!

Seguimos agora viagem para a Beira Baixa. Na Serra da Gardunha, considerada a mais misteriosa de Portugal, ouça na primeira pessoa, histórias de seres sobrenaturais e de luzes que rasgam os céus. Na Reserva Natura 2000 e no Geopark Naturtejo, viva a natureza no seu estado mais puro.

Na Região de Aveiro, é de visitar a Serra do Arestal – com 830 metros de altitude no seu alto -, a Serra de Talhadas – com 675 metros – de onde, lá no alto e em dias de céu limpo, se avista a costa lagunar de Aveiro.

 

Já em Leiria e no Médio Tejo, é de destacar a Serra de Aire, onde o seu ponto mais elevado – o Pico de Aire – atinge os 679 metros de altitude. E embora a vista seja de cortar a respiração, saiba que aqui, uma descida às grutas é obrigatória. Esta Serra, que integra o Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, está repleta de grutas naturais: Mira de Aire, Santo António e Alvados, no concelho de Porto de Mós e as Grutas da Moeda, em São Mamede, Batalha. As de Mira de Aire são as maiores grutas turísticas do país e é aqui que poderá contemplar um verdadeiro mundo de galerias, estalagmites e estalactites.

Há quem lhe chame a “varanda da Estremadura”. Já sabe de que Serra estamos a falar? Da Serra de Montejunto, na Região do Oeste, é claro. Com um cume a 666 metros de altitude, é possível avistar-se uma parte significativa da costa portuguesa, de Sintra até à Nazaré, explicando assim o porquê desta sua alcunha. Com inúmeros vestígios de ocupação humana nesta montanha, é de acrescentar ao roteiro um dia para explorá-los.

Depois das montanhas, as estrelas

O Centro de Portugal é um verdadeiro paraíso no que diz respeito a encontrar as estrelas de que somos feitos. Polvilhado de estrelas, galáxias, planetas e nebulosas distantes, é o destino ideal se o que procura é mesmo uma experiência imersiva. Aqui, existem vários observatórios astronómicos e pontos de observação de estrelas que terá mesmo de visitar. Em primeiro lugar, destacam-se as Aldeias do Xisto com a Certificação Dark Sky – uma reserva territorial entre a Serra do Açor e a Serra da Estrela, com certificação da UNESCO e da Starlight Foundation, fruto do reconhecimento do céu com as características necessárias para garantir excelentes condições de visibilidade, transparência e escuridão. Se há um sítio onde pode, de facto, aproximar-se das estrelas, é este.

Contemplar o céu a partir dessas aldeias é uma experiência inesquecível. E por várias razões: a baixa densidade populacional, uma poluição luminosa diminuta e a sua topografia montanhosa, que funciona como uma barreira natural, são algumas das principais características. Aqui, as estrelas brilham com uma intensidade nunca antes vista e o cenário é de uma magia que só quem testemunha, consegue conceber.

A Aldeia de Janeiro de Baixo, Piódão, Figueira, Benfeita, Aigra Nova, Casal de São Simão, são algumas das Aldeias do Xisto que receberam a certificação Destino Turístico Starlight, no âmbito do projeto Dark Sky. E saiba que, ao visitá-las, poderá desfrutar de uma lista cheia de outras atividades, como sessões de astronomia guiadas, caminhadas noturnas, workshops de astrofotografia, entre outras.

Alerta: Paragens obrigatórias!

Mostrar Esconder

Na hora de visitar o Centro de Portugal, saiba quais são os principais observatórios astronómicos e pontos de observação de estrelas que precisa, mesmo, de colocar no seu itinerário. Para além das Aldeias de Xisto, deve ainda parar no:

  • Centro Ciência Viva de Constância – Parque de Astronomia: situado no Alto de Santa Bárbara, fora das zonas de poluição luminosa, é aqui que poderá encontrar uma vista panorâmica e um céu noturno digno de recordar;
  • Observatório Geofísico e Astronómico da Universidade de Coimbra: situado na margem esquerda do Rio Mondego, na antiga freguesia de Santa Clara. Possui um telescópio principal de 30 centímetros e pode, ainda, realizar as sessões de observação disponíveis para o público – tanto de dia como de noite.
  • Os concelhos de Arganil, Góis, Miranda do Corvo, Oliveira do Hospital, Pampilhosa da Serra e Penela são ainda paragens obrigatórias para…fotografia! É verdade, destinos ideias para encher a sua galeria de fantásticas fotografias do céu!

Seja, ou não, um amante assumido de astronomia, a promessa é a de que não ficará indiferente. Há qualquer coisa de místico em olharmos para o céu e percebermos que não estamos, afinal, sozinhos. Visite o Centro de Portugal e viva esta experiência de perto. Há magias que não se explicam, contemplam-se!

Vote no jornalismo independente.

Assine o Observador com 45% de desconto.

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver oferta

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.