Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Quem meteu a mão na Caixa?” A pergunta dá o título ao mais recente livro da autoria da jornalista Helena Garrido, publicado pela Contraponto e à venda a partir de 25 de maio, que retrata a história recente da Caixa Geral de Depósitos — um banco público que foi credor discreto de homens sem dinheiro que queriam ser donos de grandes negócios e estar na mesa do poder; um banco que era investidor em projetos de duvidoso “interesse nacional” e que vieram a revelar-se catastróficos; acionista no palco dos defensores dos “centros de decisão nacional”; canal de dinheiro para viabilizar “investimento direto estrangeiro”; financiador de especuladores bolsistas e imobiliários; centro de empregos, influência e poder dos governos.

O Observador faz a pré-publicação do terceiro capítulo da obra — chamado “Uma aventura de plásticos”. O capítulo concentra-se no caso do financiamento ao investimento da La Seda em Sines, que levaria a centenas de milhões em perdas no banco público.

O livro está à venda a partir de 25 de maio

Uma aventura de plásticos

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.