O post tem, alegadamente, o discurso na íntegra de Sundar Pichai, CEO da Google. No entanto, nem as palavras são dele nem o texto é apenas este e muito menos demorou um minuto a ser proferido.

A publicação é falsa e a falta de referências ao local, ao ano ou ao pretexto do monólogo denunciam isso mesmo. A fotografia que a acompanha pertence efetivamente a Pichai, CEO da Google desde 2015, mas ele nunca disse “as cinco bolas são: trabalho, família, saúde, amigos e alma. Não vai demorar muito para perceber que o trabalho é uma bola de borracha”, como continua a publicação viral no Facebook.

As palavras são de Brian G. Dyson, CEO da Coca-Cola entre 1986 e 1991, e ganharam vida na 172.ª cerimónia de formatura da Universidade Georgia Tech, o instituto de tecnologia de Atlanta, EUA. Foram proferidas a 6 de setembro de 1991 — e não a 6 de setembro de 1996, como indicam algumas publicações, e ficaram conhecidas como o “discurso das cinco bolas”.

É uma alegoria sobre a vida e o que realmente importa. Segundo Dyson, sempre que a bola de borracha, que representa o trabalho, cair ao chão, ela vai voltar, “enquanto as outras bolas são feitas de vidro. Se uma delas cair, não voltará à sua forma anterior”. O texto continua dizendo que a bola de vidro “será danificada, machucada, rachada ou até mesmo estilhaçada”. A tradução é em português do Brasil mas o conteúdo corresponde ao discurso original.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Contrariamente ao que a partilha afirma, ele não foi feito “em apenas 60 segundos”. Apesar de ser este o excerto mais conhecido, e de circular pelas redes sociais e pela internet há anos, faz parte de um texto bem maior que fala dos ingredientes para o sucesso, dirigindo-se aos alunos acabados de formar.

“Como diríamos na Coca-Cola, ‘a fórmula secreta’ é a combinação de três coisas: visão, saber o que queremos ser quando crescermos; confiança, saber quem somos; e sorte, ou aquilo a que eu chamaria estar no sítio certo à hora certa”, começou por dizer Brian G. Dyson.

A comparação entre a bola de borracha e as bolas de vidro surgiu quase no final da palestra, que foi publicada na íntegra na edição de 30 de setembro do mesmo ano do jornal “Whistle”. O “volume 17, número 27” tem as palavras exatas e ainda pode ser consultado.

Dyson terminou com uma pergunta deixada aos alunos da Georgia Tech: “O conhecimento é apenas uma ferramenta. Há alguém na Argentina ou em Singapura que tem o mesmo curso que vocês. A diferença está em como usam isso. Vão usar a vossa educação para a vida ou só como forma de viver? É com vocês agora”.

Nesse ano, Dyson, que nasceu na Venezuela em 1935, deixou o cargo de CEO da Coca-Cola e passou a consultor sénior nos dois anos seguintes. Reformou-se em 1994 mas continuou ativo na empresa. Em 2001, aos 66 anos, regressou como vice-presidente e COO, cargo que manteve até 2003. Tem agora 86 anos.

Conclusão

Discurso que compara trabalho a uma bola de borracha e família, saúde, amigos e alma a bolas de vidro não é da autoria de Sundar Pichai, CEO da Google. Remonta a 6 de setembro de 1991 e foi proferido por Brain G. Dyson, na altura CEO da Coca-Cola, numa cerimónia de formatura da Universidade Georgia Tech, nos Estados Unidos. O excerto que se tornou viral é apenas parte de um texto sobre os ingredientes para o sucesso. Ainda pode ser consultado online.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook.

IFCN Badge