É certo que existem vários voluntários de norte a sul do país que têm dedicado grande parte do tempo que passam em casa, cumprindo o isolamento social recomendado pelo Governo, a fabricar máscaras, cogulas ou proteções para os pés e pernas, que depois serão doados aos profissionais de saúde. O exemplo que está descrito no post que introduzimos abaixo podia ser apenas mais um entre esses, mas não é.

Exemplo de publicação falsa sobre estudante de Coimbra.

Vamos por partes. A publicação dá conta de que “Joana Sousa”, estudante do terceiro ano do curso de Artes e Design na Universidade de Coimbra, está a produzir “centenas de máscaras” a partir de casa para distribuir pelos hospitais da região. A descrição acompanha duas imagens: uma de uma mulher e outra de uma unidade fabril de produção de máscaras.

Na fotografia, a mulher é Mia Khalifa, uma ex-atriz pornográfica cuja imagem tem sido utilizada para difundir vários conteúdos falsos entre eles um que a identificava como vencedora de um concurso de projetos de física nuclear, na Rússia, a quem também não tinha sido dado o devido destaque “por não ser futebolista ou não mostrar o corpo”. E não, não é “Joana Sousa”, a estudante do terceiro ano do curso de Artes e Design na Universidade de Coimbra.

Na imagem que mostra as máscaras em produção, também é fácil perceber pela maquinaria visível que se trata de uma unidade de produção em massa (fabril) e não de produção a partir de casa. É muito fácil encontrar a imagem em várias páginas da internet, desde a página “Extravenezuela” a uma página no Facebook intitulada “Respiratory Face Masks For Sale”, ainda que tenha sido cortada para ser utilizada na publicação de Facebook.

Imagem completa utilizada na publicação de Facebook encontrada através de uma pesquisa no Google

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Apesar de a informação da publicação ser totalmente falsa, a Universidade de Coimbra (UC) lançou no final de março a plataforma ‘UC Against Covid-19‘, para agregar todos os projetos de investigação e inovação da UC associados aos efeitos e à luta contra a pandemia e tem vários investigadores e funcionários a trabalhar nos mais variados projetos. De um ventilador low-cost à produção de cogulas e proteção de pés e pernas a partir de casa. O objetivo da plataforma é reunir as iniciativas de resposta aos problemas da região e do país que foram nascendo nos laboratórios da UC.

Ainda que não tenhamos encontrado nenhum registo sobre a suposta Joana Sousa, na UC há quem esteja a produzir a partir de casa. É o exemplo de seis membros da equipa do Espaço Costura dos Serviços de Ação Social da Universidade de Coimbra que estão a produzir cogulas e sobrebotas para o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC). O CHUC disponibilizou o material e os moldes e os seis profissionais da UC puseram as mãos nas máquinas para produzir as peças finais.

Também a escola de costura Maria Modista está a criar cogulas e sobrebotas para distribuir pelos hospitais do país, com costureiras e costureiros voluntários em todo o país a ajudar na produção. Mais recentemente, a fundadora da Maria Modista, Filipa Bibe divulgou vídeos a produzir também máscaras, mas consciente que o tecido habitualmente utilizado não protege na totalidade como as máscaras cirúrgicas ou com válvula — sobre as quais continua a haver escassez no mercado nacional e internacional.

Como diferentes costureiras se uniram para criar cógulas e botas. Médicos e enfermeiros agradecem

Além das cogulas e sobrebotas há empresas a nível nacional que redirecionaram as suas linhas de produção dando prioridade à pandemia. Das fábricas de moldes na Marinha Grande às fábricas de têxtil ou calçado em Oliveira de Azeméis são inúmeras as iniciativas das empresas com fábricas em território nacional com o objetivo de apoiar quem está na linha da frente da luta contra a Covid-19. Contudo, nunca foi encontrada referência a uma Joana Sousa, que estudasse na Universidade de Coimbra.

Viseiras, máscaras e desinfetante. Como as empresas portuguesas se reinventaram para lutar contra a Covid-19

Conclusão

A imagem e texto divulgados no Facebook sobre a suposta estudante Joana Sousa são totalmente falsas. Trata-se de Mia Khalifa e não há qualquer registo de uma estudante da Universidade de Coimbra que esteja, a partir de casa, a produzir “centenas de máscaras”. A Universidade de Coimbra criou uma plataforma para agregar a informação sobre todas as iniciativas realizadas pela instituição, como resposta aos problemas gerados pela pandemia da Covid-19, mas no site da UC Against Covid-19 não há também informação sobre produção de máscaras a partir da casa de qualquer aluno.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

De acordo com o sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota 1: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook

Nota 2: O Observador faz parte da Aliança CoronaVirusFacts / DatosCoronaVirus, um grupo que junta mais de 100 fact-checkers que combatem a desinformação relacionada com a pandemia da COVID-19. Leia mais sobre esta aliança aqui.

IFCN Badge