Rádio Observador

PSD

A camioneta fantasma do PSD

Autor
  • Teresa Cunha Pinto
155

Tal como o “dente de ouro”, também Rio tem uma lista longa de nomes a abater e é por isso que persegue e cala os companheiros do partido que se opõem às suas ideias e incompetência enquanto líder.

Na passada segunda-feira, Rui Rio procedeu a mais um ataque numa guerra que se arrasta desde o início da sua liderança. Uma liderança sem igual tal é a incompetência, a inabilidade e a insuficiência.

Foram precisas catorze horas para o PSD aprovar a lista de candidatos a deputados para as legislativas de Outubro. Um cenário bem contrastante tendo em conta as singelas três horas que o PS precisou para aprovar a sua lista. Só por aqui podíamos tirar já algumas conclusões.

Seguindo o exemplo da camioneta fantasma comandada pelo cabo Abel Olímpio, mais conhecido como o “dente de ouro”, Rio arrumou de uma vez 49 dos 89 deputados eleitos pelo PSD em 2015. Os outros 39 voltam a repetir-se ainda que para muitos destes a probabilidade de eleição seja reduzida ou nula.

Aquele que é considerado um dos episódios mais trágicos e violentos da história – 19 de Outubro de 1921 – tem hoje muitas parecenças com aquilo que, também, podemos considerar ser um dos momentos mais tenebrosos da história do Partido Social Democrata.

Já em 2009 Manuela Ferreira Leite decidiu, enquanto presidente do PSD, varrer da lista de deputados dois dos seus maiores opositores: Pedro Passos Coelho e Miguel Relvas. O afastamento destes militantes provocou na época um pequeno tumulto pré-eleitoral que não se compara com o actual estado do partido.

Tal como o “dente de ouro”, também Rio tem uma lista longa de nomes a abater e é por isso que persegue e que cala os companheiros do partido que se opõem às suas ideias e à sua incompetência enquanto líder. Rio está a purgar o partido a seu bel-prazer, numa atitude lesa-partido com efeitos desastrosos e muito prejudiciais para o PSD e para as próximas lutas eleitorais.

Rio não aprende com os seus erros.

Se formos até às autárquicas de 2017 podemos constatar uma vez mais que os resultados já davam sinais de socorro. Estes resultados não serviram de lição a Rui Rio nem ao seu baronatozinho laranja que o acompanha, deixando-se transformar num cata-vento que vai atrás da retórica socialista, orquestrada pelo chefe da geringonça, enquanto que se entretêm numa animada caça às bruxas, muito ao estilo do seu líder.

Rui Rio sofre da síndrome da perseguição, da intriga e da destruição, aliás, atributos que se encaixam na perfeição ao seu carácter e desempenho enquanto militante e dirigente do PSD ao longo dos últimos 45 anos. Do alto da sua arrogância, continua a pensar que só ele, e só ele, é que está certo! Não ouve ninguém e por este andar ninguém o quer ouvir! Em vez de unir, prefere fragmentar o partido. Quem não se lembra do apoio, declarado e fiel, ao candidato da oposição ao seu partido à Câmara Municipal do Porto nas autárquicas de 2013? Quem não se lembra da guerra sem tréguas que Rui Rio moveu aos militantes e dirigentes do partido a propósito do processo de refiliação e da transparência e controlo dos gastos?

E como não mobiliza os portugueses, opta por desmobilizar o partido.

Uma coisa é certa: Rui Rio deixou um país coxo, sem opção, sem alternativa e sem oposição. Este é o seu legado, enquanto líder daquele que era o maior partido português. Resta-nos esperar por Outubro e ver qual é a escolha dos portugueses. A camioneta fantasma do PSD continua a passar destruindo o que ainda há para destruir. Mas… e quando já nem isso restar?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Incêndios: alguém puxou a cassete para trás

Teresa Cunha Pinto

Reduziram Portugal a um campo de batalha dividido ao meio, onde num lado estão os que merecem e do outro os que não merecem. Este país profundamente só e abandonado deixa-nos a todos sem chão.

Racismo

Quotas? Pura campanha política

Teresa Cunha Pinto
135

O verdadeiro racismo reside em aceitar que determinada etnia precisa de medidas especiais para chegar a certos lugares. Se há constrangimentos a este nível não serão as quotas que os vêm diminuir.

Cidadania

Sejamos nós a provocação! 

Teresa Cunha Pinto
118

A convicção, a posição e a determinação: eis o que urge neste país. Remar contra a maré daqueles que têm feito do Estado português um Estado doente e enfraquecido.

António Costa

A esquerda que temos

Fernando Leal da Costa

Nem para ambulâncias pode o INEM gastar dinheiro. O melhor será assumirem que entre ligar para o INEM ou mandar vir o Uber, o segundo é mais certo. Isto, claro, se não estiver a passar um táxi.

PS

Democracia de um só partido /premium

João Marques de Almeida

O PS quer estar sempre no poder, sendo o partido do Estado, e se possível sempre no governo, umas vezes com o apoio das esquerdas radicais, outras com a ajuda do PSD. Eis o favor que Rio fez a Costa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)