Rádio Observador

Economia em dia com a CATÓLICA-LISBON

A economia portuguesa finalmente a crescer… e agora?

Autor
  • Filipe Santos
178

Quando a economia cresce o Estado deve gastar menos para não exacerbar o ciclo económico e ganhar folga financeira para poder gastar mais quando vier novo ciclo negativo.

Na minha crónica de 9 de fevereiro intitulada “O Diabo não chegou mas vem aí o Anjo” argumentei que as estimativas de crescimento económico entre 1.3% e 1.7% para 2017 eram demasiado pessimistas e estava convicto de que “a economia portuguesa está prestes a iniciar um período de crescimento sustentado com forte criação líquida de emprego”. E sugeri mesmo que esse crescimento em 2017 suplantaria os 3% e colocaria o desemprego claramente abaixo dos 10%.

Que diferença 7 meses fazem… Neste momento, o crescimento económico no segundo trimestre está nos 2.9%, acima da média europeia, e o desemprego está nos 9.1%, em linha com a zona Euro. O déficit público parece controlado e Portugal ganhou maior credibilidade junto das instâncias europeias e das agências de rating da dívida pública.

A que se deve estes bons resultados? Em primeiro lugar, gostaria de alertar para um erro típico de analistas e comentadores que é tentarem explicar fenómenos económicos estruturais com base em políticas recentes, em particular decisões orçamentais do governo atual ou do anterior. O debate sobre qual governo tem o mérito destes resultados é um debate inútil e contraproducente pois sugere que as dinâmicas económicas reagem imediatamente a políticas orçamentais do Estado. Ao invés, os fenómenos económicos (decisões de investimento e emprego, mobilidade, internacionalização e competitividade empresarial) têm geralmente causas múltiplas e de longo prazo.

No artigo de 9 de fevereiro elenquei as dinâmicas e setores que estavam a acelerar o crescimento da nossa economia. As raízes mais profundas dessas dinâmicas têm a ver com opções e estratégias assumidas há décadas, como a adesão ao Euro que obrigou os empresários a inovarem para as suas empresas serem competitivas, a participação no mercado livre europeu que recebe o grosso dos nossos bens e serviços, investimentos em educação e ciência que aumentaram a qualificação da nossa mão de obra, investimento em acessibilidades, a melhoria de serviços públicos em algumas áreas chave (saúde, eficiência da máquina fiscal, processos ágeis de criação de empresas), bem como estratégias inteligentes de associação e cooperação setorial. Este crescimento é assim resultado de um esforço coletivo dos portugueses ao longo dos últimos 20 anos e pode ser sustentável pois Portugal reforçou a sua competitividade económica sendo atualmente um dos países mais atrativos do mundo para visitar, viver e trabalhar. Prevejo mesmo que a população residente em Portugal inverta o seu ciclo negativo iniciado em 2010 e comece a crescer (apesar do saldo demográfico ainda negativo), devido à entrada de estrangeiros e regresso de muitos emigrantes, o que aumentará a dimensão da nossa economia (que nestes últimos seis anos perdeu mais de 2% da população residente e mais de 5% da população ativa).

Não vale a pena, portanto, debater qual governo tem mais mérito, mas vale a pena debater o que deve o atual Governo fazer neste novo contexto. É que o acelerar do crescimento económico desde o 2.º semestre de 2016 (embora com os ânimos algo esfriados pelo dececionante resultado do 2.º trimestre de 2017 com um crescimento em cadeia de apenas 0.3%) tem uma implicação importantíssima para os nossos governantes – pela primeira vez em seis anos um Governo português tem a possibilidade de realizar opções políticas e económicas de fundo, em vez de apenas tentar gerir uma crise financeira sem ter margem de manobra nenhuma.

E aqui é importante lembrar uma regra económica fundamental: a política orçamental deve ser contracíclica – quando a economia cresce o Estado deve gastar menos para não exacerbar o ciclo económico e ganhar folga financeira para poder gastar mais quando vier novo ciclo negativo. Esta é a melhor forma de amenizar as consequências dos ciclos económicos. No entanto esta boa prática não é óbvia pois vai contra a intuição geral de como gerir o orçamento de um agregado familiar.

Numa família, se os tempos estão difíceis (um dos membros fica desempregado ou tem um problema da saúde, as poupanças são poucas e existe dívida), não há outro remédio senão reduzir as despesas e poupar o máximo possível, cortando gastos supérfluos, adiando a remodelação da casa e a tão desejada viagem de férias. Se vierem tempos bons (se somos aumentados ou promovidos ou se acumulamos poupanças folgadas), podemos novamente gastar mais, fazendo aquela viagem de sonho ou renovando o carro de família.

Num Estado poderia pensar-se ser natural fazer o mesmo. Em alturas de crise corta-se nas despesas para evitar o agravamento do déficit e o consequente endividamento e, em alturas de crescimento económico, com maiores receitas fiscais e menores despesas com o subsídio de desemprego, tem-se margem para gastar mais, aumentar salários e realizar despesas adiadas, sem aumentar muito o déficit público. Ora, isto seria uma política orçamental profundamente errada pois acentuaria o ciclo económico ascendente de forma não sustentável e perder-se-ia a margem orçamental para aumentar a despesa pública numa futura recessão económica. Isto foi o que aconteceu em 2011, pois não se criou folga orçamental durante o período de crescimento e, quando chegou a crise, fomos obrigados a impôr uma dolorosa austeridade que aprofundou ainda mais a recessão.

Precisamente porque a economia está a crescer e existe criação de emprego, o Estado tem uma oportunidade única de conter os seus gastos de forma a conseguir anular o déficit público. Ao mesmo tempo deve alterar o perfil do stock de dívida pública para aumentar a sua maturidade e reduzir a taxa, de forma a beneficiar com as novas perspetivas orçamentais e económicas, o que levará a uma enorme poupança de juros. O Estado pode também aproveitar para acumular uma almofada financeira elevada para reduzir o risco na gestão da dívida (num cenário de baixas taxas de juro o custo deste “seguro” é muito reduzido). Sobrará ainda folga para relançar uma política criteriosa de investimentos públicos estratégicos, essa sim merecedora de um debate aprofundado e um consenso alargado entre os partidos.

Se esta política orçamental for feita este ano e o próximo, e a economia mantiver um ritmo de crescimento perto de 3%, o país criará uma folga orçamental elevada que permitirá amenizar a próxima crise, quando ela aparecer, seja ela provocada por um conflito armado internacional, um nova crise financeira, ou uma crise política na Europa. E se a crise não aparecer tão cedo, podemos finalmente começar a corrigir os erros do passado, reduzir o peso da dívida, e ganhar autonomia para o futuro.

Filipe Santos é professor catedrático na Católica-Lisbon School of Business & Economics (email: filipe.santos@ucp.pt)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)