Rádio Observador

Grécia

A estética ética da propaganda norte-coreana /premium

Autor

De Varoufakis às redes sociais, dos comentadores de esquerda, direita e extremas, todos parecem conhecer a solução mágica e quase todos culpam a União, como se não tivesse sido ela a salvar a Grécia.

Yanis Varoufakis não gostou do vídeo partilhado por Mário Centeno como presidente do Eurogrupo em que saúda o fim do programa de assistência financeira à Grécia e felicita o povo grego por ter “reconquistado o controlo”.

Tweetou o antigo ministro das Finanças grego: “A Comissão europeia junta insulto à insuportável miséria da Grécia com um vídeo com a estética/imoral da máquina de propaganda norte-coreana”. Esquecendo o facto de o vídeo ser do Eurogrupo e não da Comissão (alvo apetecível e habitual), afinal o que contém ele que tanto choca Varoufakis, indignação aliás partilhada por milhares de frequentadores das redes sociais, agentes políticos e comentadores de vários quadrantes políticos em Portugal e mais além?

Será por Centeno referir o progresso económico da Grécia, a que os críticos contrapõem os níveis de desemprego jovem e a enorme dívida pública? Se é, têm razão.

Um excelente (e sucinto) trabalho apresentado ontem pelo Financial Times salienta que a criação de riqueza, embora 3,5% superior aos valores de 2015, ainda está 25% abaixo dos níveis de 2007, ao contrário do caso espanhol, português ou italiano, todos à volta dos 100% em relação a 2008. O desemprego afecta 1 milhão de gregos, 20% do total, mais do dobro de há 10 anos. O crédito mal parado é várias vezes superior ao que era então.

A Grécia é o 4.º país mais pobre da União Europeia, só à frente da Bulgária, da Croácia e da Roménia. A sua dívida pública é de 180% do produto, a maior da zona euro. Em suma, Varoufakis tem razão? Talvez sim. Ou talvez não, por três razões.

Primeiro, há sinais de esperança: as exportações, com o turismo à cabeça, crescem a um ritmo razoável, apesar de fraquezas estruturais (como a composição dos produtos exportados e a redução drástica dos custos do trabalho). O excedente primário projectado é de 3,8% em 2018. Há uma certa estabilidade política, o que na Grécia não é dizer pouco.

Em segundo lugar, o fim dos programas de assistência (três!) permite à Grécia, aos seus responsáveis e povo, decidir o caminho a seguir. A dívida grega é gigantesca, mas está escalonada para pagamento até 2060, com pagamentos anuais que podem variar entre mínimos de 2 mil milhões de euros e picos superiores a 10 mil milhões lá para meados da década de 50. E o nível dos pagamentos está ligado às taxas de crescimento anuais, nada impedindo novos reescalonamentos em função da forma como se portar a economia grega.

Em terceiro lugar, a velha questão das alternativas. Tivesse Varoufakis permanecido como ministro das Finanças, não houvesse Mecanismo de Estabilidade Europeia e FMI para acudir à Grécia num momento de extrema necessidade e o que teria sucedido? É sempre fácil prognosticar à posteriori e culpar a UE, mas quando a Grécia precisou a Europa ajudou, ainda que com condições e custos — que existem sempre em caso de ajuda externa, seja o apoio prestado por quem for (e quem precisa, precisa sempre desesperadamente de quem ajude).

Não tivesse havido resgate, o que teria sido da Grécia? Uma Venezuela, a Coreia do Norte? Ou a Turquia, esmagada pelo peso global de um dólar vingativo e sem soluções senão colocar-se nas mãos de Deus? Muito simplesmente, qual era a alternativa?

Não pagar a dívida? O cemitério das boas intenções está cheio de países que não puderam pagar as suas dívidas – ou as renegaram. A Grécia, parece, foi o primeiro país do Mundo a registar default (incumprimento soberano), em 377 A.C. Boa parte do declínio espanhol entre o século XVI e o XIX teve a ver com as 14 vezes que o país não cumpriu as suas obrigações creditícias. O incumprimento argentino de 2001 (95 mil milhões de USD!) foi um dos maiores da História, com consequências conhecidas.

Que fazer então? Optar por uma política expansionista em tempos de crise é resposta comum, que neste caso ignora o ponto de partida: a crise grega de 2009 está intrinsecamente ligada à fraqueza estrutural da sua economia, associada ao forte consumo privado e crescimento descontrolado do crédito, elevado consumo público e investimentos nos JO de 2004, “panem et circenses”, nada de novo. Inflação elevada, salários nominais muito acima da produtividade, corrupção, défices públicos gigantescos e, quando a crise chegou à Europa, a economia grega implodiu, provocando um tsunami financeiro (primeiro) e logo económico, que alastrou ao Sul do continente, incluindo Portugal, Espanha, Irlanda (a excepção geográfica) e Itália.

Claro que não fazia sentido aplicar receitas em boa parte responsáveis pela crise, era assim como receitar antibióticos à vítima de um excesso de antibióticos. E havia alguém no Mundo capaz de dar a ajuda de emergência que a Europa prestou e de que os gregos tão desesperadamente precisavam? Se havia, não se acusou (e não foi por falta de procura do governo grego e de… Varoufakis).

A culpa foi da Europa? O alastrar da crise está ligado à construção insuficiente da zona euro; não é possível instituir uma zona monetária e continuar a lidar com as partes como se não fizessem parte dela. É facto, mas também o é a incapacidade, e falta de vontade, dessas partes, os Estados-membros, de aceitarem tratar a eurozona como espaço comum, em que dívidas, crises bancárias, choques assimétricos, equilíbrio entre regiões deficitárias e regiões excedentárias fazem parte da equação. Acusar a integração europeia de não entregar o que promete ao mesmo tempo que se lhe nega os recursos para o poder fazer, é como levar uma criança diariamente ao MacDonalds (perdoe-se-me a publicidade) e acusá-la de engordar.

De Varoufakis às redes sociais, dos comentadores de esquerda, direita e extremas que se pronunciaram, todos parecem conhecer a solução mágica e quase todos culpam a União, como se não tivesse sido ela a salvar a Grécia (como Portugal, no seu tempo), de uma situação dramática causada PRINCIPALMENTE por si própria. Noutras circunstâncias, em conjunturas menos extremas do que a crise de 2008, esses países teriam recorrido à desvalorização, à impressão de dinheiro (e despesa pública), à emissão de dívida indexada à inflação e a outras soluções mais ou menos clássicas. Teriam também, como a História mostra, escondido de si próprios os problemas estruturais que levaram a essas situações, empobrecendo a prazo o povo e arrastando, para lá de horizontes temporais indefinidos, a dependência de demagogos e autocratas esclarecidos (e dos apostadores de fim de jogo).

Não, neste caso, apesar da estética duvidosa do vídeo do Presidente do Eurogrupo, não me parece que a máquina de propaganda utilizada tenha sido a norte-coreana.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Despedida /premium

Paulo de Almeida Sande
166

Foi um gosto ter escrito aqui durante 4 anos e meio, desde o 1º dia. Conheci a ambição, alegrei-me com o crescimento, rejubilei com o sucesso. Escrevi, em total liberdade, sobre os mais variados temas

Brexit

Modo de sobrevivência /premium

Paulo de Almeida Sande

Se houver visão, espírito grande e coragem, os líderes políticos britânicos tomarão a decisão certa e, com espírito democrático e a lucidez de perceber o que está em jogo, devolverão a palavra ao povo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)