Em matéria de Segurança Social e pensões, a nossa classe política vive em permanente negação. Na verdade, da esquerda à direita, ouvimos os discursos, as proclamações e lemos os cartazes e chegamos à conclusão de que os nossos eleitos, todos eles, têm um comportamento infantil e irresponsável. São como crianças a quem se diz que pôr os dedos na torradeira queima, mas que só entendem no dia em que fazem a experiência e acabam com os dedos queimados.

Estamos a chegar ao fim da farsa. Mais uma crise económica em cima de outras tantas que tivemos nas últimas décadas e sem horizonte de futuro que se perceba, os dedos estão mesmo a encostar na resistência da torradeira. A inflação acelerou um processo que já se sabia inevitável e os cofres da Segurança Social estão a esgotar-se a uma velocidade alucinante.

Perante isto, o PS, que vive dos votos dos pensionistas, encontra-se num dilema: ou faz de conta que não se passa nada e continua a aplicar a fórmula de cálculo das pensões, levando o sistema à falência em muito pouco tempo, ou altera as regras e garante que durante alguns anos o sistema pode ainda resistir.

Num momento de rara lucidez, António Costa tomou a decisão certa. É verdade que usou um truque para aligeirar o impacto da notícia e, quem sabe, manter a ilusão por mais alguns meses a alguns pensionistas. Mas, apesar de tudo, foi responsável e fez o possível para garantir pensões durante mais alguns anos a mais alguns futuros pensionistas, hoje pagadores de pensões. Fez a sua obrigação, procurando causar o menor dano possível aos pensionistas de hoje que não têm alternativa para encontrar recursos suplementares. Mas, por uma vez, pensou no futuro de um país com cada vez mais velhos e cada vez menos jovens. Não poderá ser acusado neste caso de ter privilegiado a navegação à vista, deixando a fatura para os que vierem a seguir.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.