Ministério da Saúde

A Venezuela aqui tão perto

Autor
165

O Ministério da Saúde, após banir as malfadadas chamuças e os vis rissóis dos hospitais aponta agora as baterias às farmácias, em particular àquelas que — imagine-se o despautério — praticam descontos

Um oceano que nos separa, uma ideologia que nos une. Depois de momentos de verdadeiro empreendedorismo promovidos pelo actual governo, dos quais é impossível não destacar as cabras-sapadoras e a criação de uma Agência Espacial Portuguesa, estava na hora de estreitar as relações com a Venezuela, e nada melhor para o fazer do que através do avenezuelamento da economia portuguesa.

Para tal, o Ministério da Saúde, após banir as malfadadas chamuças e os vis rissóis dos hospitais portugueses, numa reedição trans e saturada da lei americana do proibicionismo, aponta agora as baterias às farmácias, em particular àquelas que — imagine-se o despautério — praticam descontos.

A medida procura (como procuram sempre, aliás, as propostas da benévola esquerda, em contraste com a malquerente direita) proteger os mais fracos e vulneráveis do jugo e da opressão do grande capital. Neste caso, o grande capital são as farmácias que praticam descontos de 10% a 20% em medicamentos comparticipados. Dizem os proponentes desta medida que uma pequena farmácia não conseguirá competir com este verdadeiro dumping.

Esqueçamos por momentos que o custo com os medicamentos é um enorme entrave no acesso à saúde, e que os mais vulneráveis, como idosos com parcas reformas, têm imensas dificuldades em pagar os medicamentos, pelo que qualquer desconto é bem-vindo. Esqueçamos também que as farmácias dificilmente vão à falência porque a farmácia do lado pratica melhores descontos, até porque há regras que limitam o número de farmácias por zona, e em muitos casos os custos de transporte anulam os descontos. Esqueçamos tudo isto, sejamos consequentes e repliquemos a medida a todos os sectores onde isto acontece.

Em particular às mercearias ou aos talhos que têm de competir com a grande distribuição e o retalho, que pratica descontos «predatórios» como resultado da concorrência entre eles. Acabemos com os descontos de 50% na carne de bovino; comam-se tripas que está muito bem e tem menos hormonas e coisas más.

Não esquecer também o retalho de produtos electrónicos. Grandes superfícies comerciais vieram arruinar o negócio das pequenas lojas, que se recusavam a dar preços por telefone e que praticavam preços que variavam entre eles em mais de 50%. Ignore-se que estes custos caíram abruptamente para o consumidor final, resultado das economias de escala e de uma maior eficiência que só uma grande operação consegue garantir.

Fechemos as grandes superfícies ao Domingo, como aliás acontecia no passado, para dar hipótese às frutarias e aos pequenos espaços. Proibamos a Zara, a Mango e outras lojas de roupa, que, para além de pagarem em malgas de arroz algures nos sítios onde mandam produzir a sua roupa (a Zara está a instalar uma enorme fábrica na zona industrial de Mindelo; talvez seja uma boa altura para criar um stock considerável de arroz, não vá a procura aumentar para liquidar os salários dos futuros trabalhadores), praticam descontos que por vezes chegam aos 70%, em claro prejuízo das retrosarias, dos pronto-a-vestir e dos alfaiates.

Façamos grandes campanhas do compre português, compre 560, ao mesmo tempo que promovemos as exportações dos nossos sapatos e carteiras em países que têm luminárias com ideias igualmente geniais. Kaufe deutsch. Em alemão já não soa tão bem.

Enfim, proíba-se tudo isto, desta forma garantindo que o consumidor paga mais e é pior servido, e que há uma transferência de renda para as pequenas operações só porque sim. Entretanto, esqueçamos que as pequenas lojas, confrontadas justamente com a concorrência das grandes superfícies, tiveram de se modernizar, tiveram de inovar, criando cooperativas e centrais de compras que lhes dão maior margem negocial, e que em alguns casos até conseguem praticar preços mais competitivos do que as grandes lojas.

É que se deixarmos que os pequenos se juntem e resolvam os seus problemas, o governo não pode alardear tamanha façanha, mostrando a todos como só a boa vontade socialista domina a selvajaria dos mercados. Há umas dezenas de anos atrás, havia uma entidade chamada de Câmara Corporativa, que procurava justamente impor a decência no mercado português. Fica a dica para mais uma ideia inovadora: recicla-se o nome, dá-se-lhe uma embalagem moderna e ficamos com a Câmara Corporativa 4.0.

Perante tamanha criatividade e afinco, este governo não pode ser acusado de não sonhar alto. Perante este rol interminável de grandes reformas e de uma visão sumptuosa para Portugal, é justo dizer que a vaca Geringonça não voa, orbita.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Vencidos da vida

Mário Amorim Lopes
636

Há 200 anos que Portugal é uma chalaça. Mas o que verdadeiramente mata Portugal é a angústia de saber que não tinha e não tem de ser assim. 

Política

De direita e liberal, sem a vossa licença

Mário Amorim Lopes
199

E o regime assim se foi mantendo. Ao mesmo tempo que se tentava marginalizar qualquer brecha de direita, os outros, os moderados, escreviam odes a Chavez e Maduro e denunciavam a ascensão dos radicais

Política

A direita em crise?

Luiz Cabral de Moncada

A perda de terreno eleitoral pela direita só significa que a esquerda assimilou o que aquela de melhor tem, o liberalismo económico e social. Está em crise? Não, já ganhou no terreno das ideias.

Política

Eleições à vista

José Couceiro da Costa

Hoje, com a velocidade da informação, o que releva são as causas, tão voláteis como as opiniões da sociedade civil. O modus operandi da política do séc. XX está morto. A ordem natural está invertida.

Jovens

É desta que fazemos valer a nossa geração?

Teresa Cunha Pinto

Esta geração vive com a barriga cheia de uma grande ilusão. De que é a geração mais informada, mais qualificada, mais viajada. É pura ilusão porque em nada se concretiza e materializa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)