Rádio Observador

25 de Abril

Abril em Portugal, capítulo XLIV

Autor
1.471

Descontado o folclore, e à semelhança do Natal, “Abril” é o que um homem quiser. E os homens que o fizeram, primeiro, e os homens que o tomaram, de seguida, quiseram imensas e contraditórias coisas.

São diversas as razões que me impedem de desfilar a cada 25 de Abril. A primeira é a aversão a manifestações públicas, para cúmulo colectivas. Se já é ridículo que uma pessoa se ache tão interessante a ponto de ter de expôr os seus sentimentos ao resto da humanidade, é duplamente patético que se sinta obrigada a fazê-lo em bando. Um sujeito sozinho aos berros nos Aliados ou no Rossio ainda merece algum respeito (e a atenção do INEM). Acompanhado por milhares de ociosos idênticos, não merece respeito nenhum.

O segundo motivo é o absurdo de comemorar datas. Incluindo a do meu aniversário, não conheço qualquer data digna de festejos ou baderna. Desde o início dos tempos que, de acordo com os paladares, diariamente acontecem tremores, bons, maus, terríveis, desmesurados, ínfimos, incompreensíveis e polémicos. Se sairmos à rua a “assinalar” todos, acabaremos exaustos, resfriados e com a taxa de produtividade do sindicalista médio. Além disso, não haverá trânsito que resista.

O terceiro motivo pelo qual não celebro “Abril” prende-se com o próprio “Abril”. Serei picuinhas, mas causar-me-ia certa impressão passear em prol da democracia junto de criaturas que sempre a combateram. Não querendo generalizar, o tradicional cortejo lisboeta é das maiores concentrações de intolerantes que o país é capaz de agrupar. E a toponímia é tão irónica quanto os propósitos: boa parte daquela gente “desce” a Avenida da Liberdade em nome de um conceito que lhe é fundamentalmente estranho. Por regra, os rostos reconhecíveis na romaria do 25/4 oscilam entre fanáticos de proibições, na melhor das hipóteses, e devotos de totalitarismos, na pior. Mesmo os que não idolatram abertamente tiranos célebres e obscuros entretêm-se a conceber interditos e calar “blasfémias”. É peculiar, por exemplo, que candidatos a censores se congratulem com o fim da censura. Ou que prepotentes naturais recordem com rancor a prepotência alheia. No fundo, eles descem a Liberdade porque não saberiam subi-la nem que tentassem.

Por estas e por outras (estas chegavam), o meu contacto com o 25 de Abril de 2018 limitou-se às cerimónias oficiais. Por diligência minha? Não endoideci. Sucede que o carro viera da revisão e estava sintonizado numa estação de rádio, meio que sinceramente julgava extinto. De repente, apanhei com a voz de uma senhora que evocava “o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres”. O meu impulso foi mudar a engenhoca para um disco de John Lee Hooker em que me ando a viciar. Porém, o humor retorcido que Deus me deu viu-se seduzido pelo descaramento de alguém que, a fim de emitir uma trivialidade embaraçosa, cita a figura em causa. Citar Gandhi ou Mandela é apenas aborrecido: citar o eng. Guterres revela um talento burlesco que me transforma num ouvinte atento.

E atento ouvi a tal senhora falar no “tecto de vidro que impede as mulheres de chegarem aos lugares topo”, na “nova realidade” em que vivemos “porque decidimos [ela e os amigos] pôr fim à austeridade”, na dra. Pintasilgo (com um único “s”). A terminar, o cliché apoteótico: “Cumprir a democracia e viver a liberdade é evitar fraturas e conflitualidades entre jovens e idosos, entre empregados e desempregados, entre patrões e trabalhadores, entre o interior e o litoral. Cumprir a Democracia e viver a Liberdade é não deixar mais que nenhuma mulher seja agredida ou assassinada numa relação de intimidade”.

A senhora, soube depois, chama-se Elza (com “z”) Pais e é deputada do PS. Também soube depois que o portentoso vazio dessa retórica uniu a quase totalidade dos discursos, com a excepção do do dr. Ferro Rodrigues. O presidente do parlamento conseguiu ir além do vazio e aproveitou a oportunidade para defender os compinchas envolvidos em trafulhices demográficas. No final, alguns parlamentares, de florzinha ao peito, entoaram a “Grândola” fatal. Nas bancadas, os “capitães” abençoaram a eucaristia. Se se pudesse morrer de ridículo, teríamos tido uma chacina.

Aqui chegado, para evitar equívocos, esclareço não ser saudosista do salazarismo. Não aprecio regimes controlados por nacionalistas rústicos, inimigos do comércio livre, da propriedade privada, do direito à expressão, dos “desvios” à moral vigente e, em suma, da possibilidade de o indivíduo decidir estrafegar o seu destino conforme entender. Aliás, são esses os exactos motivos que me excluem da habitual discussão em volta da propriedade de “Abril”. Ano após ano, a nossa melancólica “direita” procura reivindicar uma herança de que a esquerda se apoderou e da qual me excluo sem remorsos. Por mim, podem ficar com os cravos, o “Zeca”, a gaivota, a aliança povo/MFA e restante folclore. Descontado o folclore, e à semelhança do Natal, “Abril” é o que um homem quiser. E os homens que o fizeram, primeiro, e os homens que o tomaram, de seguida, quiseram imensas e contraditórias coisas. Um protesto corporativo. Um golpe de Estado. Uma democracia à “europeia”. Um paraíso soviético. Um inferno cubano. Um manicómio. Somados os pesos e os contrapesos, sobrou-nos o meio termo. Se nos livrámos de trocar uma ditadura rançosa por uma ditadura sanguinária, não nos livrámos da propensão para o atraso de vida que nos tolhe há séculos.

Quarenta e quatro anos passados, estamos assim, dependentes, tolhidos, patriotas, tontos e entregues a uma casta renovável e sortida de burgessos com manha, cuja solitária habilidade é a de convencer-nos da justiça dos seus privilégios.

Celebrar isto? Vou ali e não volto, como diria o secretário-geral das Nações Unidas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

A evaporação da democracia /premium

Alberto Gonçalves
1.472

Cantando e rindo, os portugueses marcham para o abismo e só darão por ele quando se esbardalharem lá em baixo. Ou, palpita-me, nem aí. Não seria a primeira vez.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)