Rádio Observador

Eleições no Brasil

As fraquezas e os fantasmas do David Dinis /premium

Autor
249

A eleição de um político como Bolsonaro para Presidente do Brasil obriga-nos a procurar explicações e é mais útil estudar as razões dessa ruptura do que integrar o coro que se limita a gritar fascista

David Dinis escreveu uma carta (no ECO) aos seus “amigos do Observador” onde os critica por “justificarem e normalizarem” Bolsonaro. Num artigo mais recente, vai mais longe e insinua que esses seus amigos fizeram uma “festa com a eleição de Bolsonaro.” Em circunstâncias normais, não perderia um minuto a responder ao DD. Mas acontece que, sem me citar e sem nunca referir o meu nome, ele inclui-me nesses “amigos” e nessa “direita”, fazendo um link para um artigo meu.

Lamento que DD não tenha a coragem de atacar directamente os meus argumentos, procurando mostrar onde discorda e onde julga que estou errado. Pelo contrário, DD constrói e ataca uma generalização, os “amigos do Observador” ou a “nova direita.” Chegou mesmo ao extremo de se referir à “Opinião do Observador” como se o Observador tivesse uma única opinião. Ele que foi director do Observador sabe muito bem que não é assim. Há muitas opiniões no Observador e bem diferentes umas das outras. Esta desonestidade de quem tão bem conhece o Observador é inaceitável. A sua carta começa de resto com outra desonestidade intelectual, comparando Chavez a Bolsonaro. O truque é óbvio. Colocar os seus “amigos do Observador” no mesmo plano dos radicais do Bloco de Esquerda que sempre apoiaram Chavez. Mas há uma diferença enorme meu caro David: nós sabemos o que Chavez fez na Venezuela, mas ainda não sabemos o que Bolsonaro vai fazer. Se Bolsonaro repetir no Brasil o que Chavez fez na Venezuela, serei o primeiro a atacar Bolsonaro. Sou incapaz de garantir que não o fará, mas também não sei se o fará. Até lá guardo a minha avaliação. Para criar uma polémica, não vale usar os truques mais rasteiros.

A carta de DD não é sobre o Brasil. Bolsonaro é apenas um pretexto para atacar o Observador. DD percebeu que há neste momento em Portugal um mercado para atacar a “direita do Observador.” Precisa, contudo, de afastar o problema de ter sido o director fundador. A narrativa aparece na carta e é desenvolvida num artigo mais recente. Enquanto DD foi director, o Observador encontrava-se na direita liberal. Desde que saiu, radicalizou-se para a direita. É lamentável que um antigo director do Observador, da TSF e do Público (em cerca de três anos, o que deve ser um recorde nacional) chegue ao ponto de sentir a necessidade de atacar de um modo desonesto uma casa onde trabalhou. O que se seguirá, ataques à TSF e ao Público?

Vamos agora à substância das críticas de DD. Acusa-me de “justificar e normalizar” Bolsonaro. É verdade que tentei explicar por que razão Bolsonaro foi eleito Presidente brasileiro o que, precisamente por causa do seu discurso radical, exige uma explicação. Se o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, tivesse ganho as eleições não teria sentido qualquer necessidade de tentar explicar o que seria um acontecimento normal. A eleição de um político como Bolsonaro para Presidente do Brasil obriga-nos a procurar explicações. Julgo que é mais útil para os leitores tentar explicar as razões de uma ruptura política do que me juntar ao coro que se limita a chamar “fascista” a Bolsonaro. Sinceramente, acho que não ajuda a entender o que se passa na Brasil. Além disso, não sinto qualquer necessidade de provar o meu “anti-fascismo”, nem de agradar às esquerdas radicais. Se DD acha que tentar explicar um político em relação ao qual temos muitas reservas em pontos fundamentais significa justificá-lo, então as centenas de livros escritos para procurar compreender o nazismo alemão, o fascismo italiano ou o totalitarismo soviético fazem dos nossos historiadores apologistas desses regimes. Eis uma opinião verdadeiramente bizarra.

Também procurei explicar que o ponto central da campanha e das discussões no Brasil (no BRASIL e não em Portugal), era o antipetismo e não Bolsonaro. A maioria dos brasileiros está zangada com 14 anos de PT no poder e rejeitou a tentativa de um político condenado por actos de corrupção tentar vencer as eleições apresentando um fantoche à corrida eleitoral, tal como tinha feito com Dilma Rousseff. A atitude de Lula constitui um acto profundamente anti-democrático que obviamente escapou a DD, tão distraído que anda com os “amigos do Observador”. Mas, meu caro David, compare o modo como a liderança do PS reagiu ao caso Sócrates e o modo como o PT reagiu ao caso Lula. O PS portou-se como um partido democrático, o PT reagiu como um movimento revolucionário obediente ao líder absoluto. Lamentável que a tua perspicácia não entenda estes comportamentos anti-democráticos.

Para terminar, deixo uma longa citação de Ciro Gomes, a quem ninguém pode acusar de ser de direita: “O lulopetismo virou um caudilhismo corrupto que criou uma força antagônica que é a maior força política no Brasil hoje. E o Bolsonaro estava no lugar certo, na hora certa. Só o petismo fanático vai chamar os 60% do povo brasileiro de fascista. Eu não. Não quero participar dessa aglutinação de esquerda. Isso sempre foi sinônimo oportunista de hegemonia petista. Quero fundar um novo campo, onde para ser de esquerda não tem de tapar o nariz com ladroeira, corrupção, falta de escrúpulo, oportunismo. Isso não é esquerda. É o velho caudilhismo populista sul-americano.” Meu caro David, não vou ao ponto de te colocar ao lado do “petismo fanático”, julgo que será apenas uma questão de falta de leitura sobre o Brasil. Se o PT tivesse apoiado Ciro Gomes, Bolsonaro provavelmente não seria hoje presidente do Brasil. Mas Lula preferiu perder as eleições para manter a hegemonia do PT entre as esquerdas brasileiras e para reforçar a ficção que só ele poderia derrotar Bolsonaro.

Sem a força retórica do Ciro Gomes, foi isto que tentei explicar. Não tenho culpa que em vez de teres tentado perceber o que se passa no Brasil, tenhas usado as eleições brasileiras como um pretexto para atacar o Observador. O que só mostra que seria uma questão de tempo até te virares contra uma publicação que ajudaste a fundar. Tu lá terás as tuas razões. Não permito é que, por essas razões, me trates como um radical ou me coloques ao lado do Bolsonaro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Pode haver acordo em Bruxelas /premium

João Marques de Almeida

O Brexit já acabou com dois líderes conservadores. Desconfio que também acabará com um líder trabalhista. A Europa não divide apenas os conservadores. Também divide, e muito, os trabalhistas.

Eleições

A grande vitória de Passos Coelho /premium

João Marques de Almeida
841

Costa e o PS não mudaram porque descobriram de repente as virtudes do controlo da despesa pública. Mudaram porque os portugueses os forçaram a mudar e perceberam-no quando perderam as eleições de 2015

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)