Venezuela

As reacções portuguesas à reacção dos venezuelanos, de A a J /premium

Autor
2.411

Como todos os estadistas minúsculos, o dr. Costa é um enigma. Nunca conseguimos apurar se é mais deficitário na língua ou no carácter.

A de António Guterres. De modo a evitar “um conflito que será um desastre para a população do país”, o eng. Guterres apela ao “diálogo”. Há muito que a população vive entre a opressão e a miséria, disputa comida com cães e, quando ganha, acaba a comer os cães, mas estas ligeirezas ainda não configuram um desastre no curioso entendimento do eng. Guterres. A tragédia só virá se, por cima da violência e da fome, escassear o “diálogo”. Relembro aos jovens, que abençoadamente desconhecem a figura, que antes de dialogar na ONU e até antes de dialogar com refugiados sortidos, o eng. Guterres passou uns anos a promover o “diálogo” em Portugal, exercício que terminou no famoso “pântano” e na famosa “retirada”. O homem é o equivalente político daquelas bonecas que sopravam bolhas de sabão e pediam: “Anda brincar comigo…” Em 1995 ou em 2019, não se pode dizer que o eng. Guterres não tem ideias firmes. Infelizmente, tem apenas uma. E não chega a ser ideia.

B de Belo Governo que nos apascenta. Pela voz do dr. Santos Silva, o governo acha que o tempo do sr. Maduro acabou. Pelos vistos, e por sorte, só acabou agorinha mesmo, o que permitiu que durante longos anos, sob o sr. Maduro ou sob o sr. Chavéz, os diversos governos que o dr. Santos Silva integrou pudessem anunciar sucessivas negociatas com o criminoso, perdão, irmão regime venezuelano, com benefícios óbvios para alguns cidadãos de lá e de cá. Cá, pelo menos, ninguém será julgado, figurativa ou literalmente.

C de Caramba que o dr. Rio possui imensa iniciativa. Questionado sobre a Venezuela, o dr. Rio, que detesta ser questionado sobre qualquer assunto, fez o que costuma fazer: imitar o governo e decretar que “o tempo de Maduro acabou”. Não satisfeito, acrescentou ser prematuro reconhecer Juan Guaidó como presidente interino. Aparentemente, o que o dr. Rio propõe para a Venezuela é o vazio. Bate certo.

D de Diacho que a dra. Ana Gomes é mulher de convicções. Para a eurodeputada (é isso, não é?), o socialismo não falhou na Venezuela porque o regime do sr. Maduro – e, presume-se, do orangotango anterior – nunca foi socialista. É um “argumento” recorrente. Sempre que a aplicação prática do socialismo resvala para a ignomínia, o que acontece em cerca de 100% dos casos, deixa de ser socialismo e transforma-se na ideologia antipática mais à mão. Quando o socialismo funciona, o que acontece em cerca de 0% das situações, constata-se que o socialismo não falha.

E de É preciso ter lata. Para os senhores e as senhoras do BE, o “chavismo” do sr. Maduro já não presta, embora não fique claro quando é que, após anos de veneração, deixou de prestar. Se certamente não foi quando o regime começou a censurar, prender e matar opositores, talvez tenha sido quando interrompeu (?) o financiamento de agremiações similares ao BE. Mesmo assim, e em homenagem aos louvores de antigamente, o BE mantém ressalvas, lembrando a “pressão política instrumentalizada de fora” (leia-se Trump e Bolsonaro), e explicando que “nem Maduro, nem Guaidó” possuem “legitimidade para estar à frente da Venezuela”. Defender o primeiro, nestes dias em que o BE decidiu fingir-se moderado e democrático, pareceria mal. Defender o segundo, de facto legitimado pelo voto e pela perseguição de assassinos, seria uma moderação exagerada.

F de Felizmente o PCP não desilude. Em pleno século XXI (linda expressão), os ingénuos ainda julgam apanhar os comunistas em falso, ao notar que estes, apesar disto e daquilo, apoiam ditaduras sanguinárias. Esqueçam o advérbio, meus caros: não há “apesar” nenhum. O PCP apoia ditaduras sanguinárias porque isso está na sua essência e, não sei se repararam, no seu nome. “O PCP condena com veemência a nova operação golpista orquestrada e comandada pelos EUA contra a Venezuela e o povo venezuelano”, reza um comunicado, sendo que “Venezuela” e “povo venezuelano”, em português, significam o conjunto de oligarcas e respectivos jagunços encarregues de ambientar os teimosos nas virtudes do leninismo. É método velho: à medida que a pedagogia vai eliminando os teimosos pela bala ou pela larica, o PCP exalta as conquistas revolucionárias e critica a América por perturbar o idílio.

G de Graças a Deus pelo jornalismo de referência. Na Sic Notícias, enquanto se exibe um “twit” do imperador da Bolívia (“Nuestra solidaridad con el pueblo venezolano y el hermano @NicolasMaduro, en estas horas decisivas en que las garras del imperialismo buscan nuevamente herir de muerte la democracia y autodeterminación de los pueblos de #Sudamérica.”), um jornalista descobre, sem estranhar, que até o sr. Morales está contra o sr. Maduro. Pouco depois, um especialista em temas, Nuno Rogeiro, repete, também sem manifestar qualquer surpresa, que até o sr. Morales está contra o sr. Maduro. Eis a utilidade da informação televisiva nacional resumida em minutos. Não admira que os canais ocupem a maior parte do tempo a debater foras-de-jogo e penáltis.

H de Hossanas ao serviço público. A RTP, que como as demais televisões ignorou, anos a fio, a triunfante marcha bolivariana para a radical penúria, informa que as ruas venezuelanas estão cheias de multidões “contra o governo e a favor do governo”, sem especificar que a proporção será a dos adeptos de um Benfica-Riopele no estádio da Luz. Garanto que preferia dissolver notas em ácido clorídrico a pagar semelhante esgoto. Misteriosamente, porém, o Orçamento de Estado não permite a opção.

I de I o que disse o prof. Marcelo? Provavelmente, que espera que tudo corra pelo melhor e que é preciso apurar responsabilidades, doa a quem doer. Falando a sério, não sei, nem quero saber, o que disse o prof. Marcelo, personalidade que enfeita “selfies” e que um dia voou para Cuba a fim de conhecer Fidel. Há limites para a paciência.

J de Juro que não imagino o que sucederá na Venezuela. Gostava que as pessoas recuperassem a exacta liberdade que o socialismo suprimiu. E, por muito que desconfie de heróis, tendo a acreditar que Juan Guaidó será o homem adequado ao processo, não tanto pela decência dos que o apoiam, mas pela indecência dos que o contestam, assumida ou, pior, disfarçadamente.

Nota de rodapé

Sobre a “Quadratura do Círculo”, disse o dr. Costa em depoimento gravado: “a democracia exige um debate plural, inteligente e culto e foi isso que o programa tem sido [sic] ao longo destes anos”. Sobre os incidentes no Bairro da Jamaica, disse o dr. Costa em resposta à dra. Cristas: “deve ser pela cor da minha pele que me pergunta se condeno ou não condeno.” Como todos os estadistas minúsculos, o dr. Costa é um enigma. Nunca conseguimos apurar se é mais deficitário na língua ou no carácter.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Clima

As crianças que lutam por um mundo pior /premium

Alberto Gonçalves
1.315

Na idade da menina Alice e do menino Gil, fiz diversas greves à escola a pretexto do clima: mal o sol aquecia, trocava as aulas pela praia. Faltou-me ser entrevistado pelos “media”.

António Costa

Obviamente, não se demitiu /premium

Alberto Gonçalves
1.046

À semelhança dos cachorros da lenda os profissionais do comentário ouvem as campainhas e reagem em conformidade, no caso em auxílio do dono que ameaçava repetir o trágico resultado eleitoral de Seguro

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)