Primeiro, foi a boa notícia: no dia 31 de Outubro passado, o Supremo Tribunal de Justiça do Paquistão absolveu Asia Bibi, que tinha sido condenada à morte em 2010, por uma alegada blasfémia que, como agora se provou, nunca proferiu. Depois de nove anos encarcerada, aguardando a execução, Asia Bibi, que tinha recorrido dessa decisão judicial, foi finalmente declarada inocente pelo Supremo Tribunal de Justiça.

Mas, depois, foi a desilusão: quando se esperava a libertação de Asia Bibi, soube-se que não só não tinha sido excarcerada como o governo paquistanês, numa tentativa de acalmar os exaltados ânimos dos radicais islâmicos, comprometera-se a não deixar que Asia Bibi e a sua família deixassem o país, única hipótese de garantir a sua sobrevivência. Pior ainda, admitiu uma possível revisão da sentença que a ilibou de todas as culpas de que era acusada e que a faziam, segundo a lei da blasfémia, merecedora da pena capital.

Os factos são conhecidos: esta pobre camponesa cristã, casada e com cinco filhos, atreveu-se a beber um copo de água onde o faziam alguns crentes em Alá e no seu profeta, causando a indignação dos muçulmanos mais radicais. Foram estes que, em 2009, lograram que fosse detida e, um ano depois, julgada e condenada à morte. Contudo, a atitude desta indefesa e pacífica mulher cristã não foi, em nenhum momento, desrespeitosa para o Islão, nem para os seus seguidores, como aliás foi agora reconhecido pelo Supremo Tribunal de Justiça do Paquistão, que a absolveu de todas as acusações.

No mesmo dia 31 de Outubro passado, em que foi publicitada a absolvição de Asia Bibi, os movimentos islâmicos mais radicais, como o Thereek-e-Labbaik Pakistan (Movimento Estou Aqui), reagiram com violência. Foram de imediato organizadas manifestações nas ruas das principais cidades do Paquistão, exigindo a morte de Asia Bibi, bem como a dos seus advogados e dos juízes que a absolveram. Estes protestos geraram uma onda de violência em todo o território nacional, que a polícia não logrou impedir, nem controlar, embora tenha feito algumas detenções.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.