Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Minha cara cidade do Porto:

Gosto de ti com entusiasmo. Gosto de ti quando te vejo vibrante e acolhedora. Gosto de ti em cada regresso a casa ao atravessar a ponte. Mas fico triste quando te fechas, quando te escondes e quando mostras o teu lado cinzento, triste e envergonhado.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.