Rádio Observador

Racismo

Catarina Martins e Mário Machado: a mesma luta? /premium

Autor
606

Há preconceitos, mas menos derivados de qualquer ideal de supremacia branca, do que da suspeita que sempre visou os pobres. A “racialização” à americana, em que comungam os extremistas, não é solução.

Evitemos perder a cabeça. Um bairro como o da Jamaica, no Seixal, não chega para fazer de Portugal uma França, com os seus “territórios perdidos da república” e as suas vagas de automóveis a arder. E uma história colonial, com escravatura e trabalho forçado, mas também com miscigenação e assimilação, não é suficiente para justificar comparações com os EUA, com a sua tradição de segregação, a sua classificação estatística da população por “raças”, e as suas ansiedades acerca da futura composição étnica do país. Não, Portugal não é a França dos “banlieues” nem os EUA de “Jim Crow”. Mas bairros como o da Jamaica ou o passado ultramarino parece que põem alguns a sonhar com o dia em que possam confundir o Seixal com um subúrbio de Paris, ou contar a história de Portugal como se fosse a história do Alabama de Harper Lee.

Num país pequeno e sempre ansioso por se “modernizar”, muita coisa é fatalmente importada e imitada de fora. Eça de Queirós já fez, em Os Maias, o humor que havia a fazer sobre o tema. Hoje, um dos fascínios desse provincianismo copiador parece ser a redução da política ao confronto de tribos. Uns gostariam de tirar o Black Lives Matter do computador para a rua, e outros o “nativismo” à moda da Frente Nacional. De um lado, temos o BE de Catarina Martins, e do outro “grupos” mais ou menos fantasmas, de quem a imprensa fez representante a Mário Machado. Vindos de extremos diferentes, a sua luta é aqui a mesma: desviar as pessoas de uma cultura comum de cidadania e prendê-las na estreiteza dos tribalismos definidos pela cor da pele. O apelo de Catarina Martins à população da Jamaica é claro: fechem-se sobre si próprios, desconfiem de uma sociedade “racista”, e recusem as suas leis e as suas regras, porque são as leis e as regras do “racismo”. O convite dos Mários Machados aos “nativos” também é muito claro: resistam à “invasão” dos estrangeiros, e combatam o Estado que facilita e protege o abastardamento da “raça” nacional. Para os Mários Machados, é a luta principal. Para Catarina Martins, é mais uma das lutas de substituição de quem já só encontra a classe operária nos velhos livros de Lenine e, entretanto, tem de votar os orçamentos aprovados pela Comissão Europeia.

Podemos, como é óbvio, fazer de conta que nada se passa, para além de uma confluência ocasional entre demagogos à procura de causas e jornalistas à procura de títulos. Mas alguma coisa se passa, porque não é simples integrar a população que chegou à Europa através das migrações descontroladas dos últimos anos. Às economias europeias falta o dinamismo para criar os empregos e as oportunidades esperadas, e às culturas, a auto-confiança e a exigência que não deixassem dúvidas sobre as regras que todos têm de respeitar para viver em comum. Não descontemos, por isso, as hipóteses dos extremistas de um lado e do outro. A divisão e a desconfiança são sempre mais fáceis de obter do que a integração e a confiança.

A estagnação económica poupou Portugal a grandes afluxos. Mas nem por isso deixa de ter favelas como a da Jamaica. Há preconceitos? Há, sem dúvida, mas menos derivados de um qualquer ideal de supremacia branca, do que da suspeita que sempre visou os pobres. A “racialização” à americana, em que comungam os extremistas, não é obviamente a solução. Dispenso-me, por muito repetida, de detalhar a lista do que se deve fazer. Há, porém, uma ilusão perigosa: é a de que, para evitar acusações de “securitarismo”, possamos dispensar a presença firme do Estado e dos seus serviços. Onde a polícia não entra, mandam os mais violentos e qualquer integração é impossível.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

O mérito não tem cor de pele nem etnia

João Pedro Marques
381

Os activistas querem implementar quotas e outros mecanismos compensatórios e precisam desesperadamente de argumentos científicos para justificar esse seu propósito. É gato escondido com rabo de fora.

Europa

Para uma etiologia da “política de identidades”

Guilherme Valente

É a ameaça de uma sociedade comunitarista, fragmentada, tribalizada e regressiva que se configura. Anti-humanista e anti-universalista, contra o melhor do espírito europeu. E contra uma Europa unida.

Racismo

Quotas? Pura campanha política

Teresa Cunha Pinto
135

O verdadeiro racismo reside em aceitar que determinada etnia precisa de medidas especiais para chegar a certos lugares. Se há constrangimentos a este nível não serão as quotas que os vêm diminuir.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)