“Imagine uma bola de ténis. Agora divida o seu diâmetro pelo diâmetro do planeta Terra. Essa é a escala do nanómetro. É a essa escala que nós investigamos”. Foi com esta excelente imagem que a Prof. Elvira Fortunato, entrevistada a propósito da sua indicação como possível nomeada para Prémio Nobel da Física deste ano, explicou a Vítor Gonçalves, da RTP, o âmbito de investigação da equipa que lidera no i3N-Instituto de Nanoestruturas, Nanomodelação e Nanofabricação da Universidade Nova de Lisboa.

Nesta entrevista, que é também um exercício de serviço público, muitos portugueses tiveram a oportunidade de conhecer, pela primeira vez, o rosto principal de uma área de investigação científica de enorme potencial disruptivo, onde Portugal se situa na vanguarda do melhor que se faz no mundo.

No entanto, e no momento em que tantos discutem a visão estratégia para o país e onde devemos investir os rios de dinheiro que vamos receber do Fundo de Recuperação europeu, falta também ouvir e debater a opinião de pessoas como a Prof. Elvira Fortunato.

De repente, todos começámos a ouvir dizer que o futuro de Portugal passa por uma aposta estratégica no mercado do hidrogénio (o verde, pois claro!). Dizem os nossos doutos políticos que temos de investir para sermos os pioneiros da revolução energética e da ação climática. E não é uma questão de fé. Já está tudo estudado e afins. Temos apenas de converter umas fábricas poluentes e partilhar o risco financeiro do investimento com as grandes utilities privadas.

Mas permitam-nos perguntar: Portugal é, de alguma forma, líder diferenciado ou tem alguma vantagem na tecnologia? Parece que não! Aparentemente, a estratégia também passa por sermos os primeiros a investir e esperar que os países mais fortes nos deixem posicionar no mercado, para quando o hidrogénio for efetivamente a energia do futuro!

Ou seja, Portugal pretende vir a competir num oceano que dentro de alguns anos estará infestado por enormes tubarões, um “red ocean” como metaforicamente se designa na disciplina de estratégia.

No entanto, ensinam-nos os empreendimentos mais bem-sucedidos que, melhor do que ser grande, é ser único.

E, neste contexto, porque razão preferir águas turbulentas quando podemos ser melhor sucedidos num oceano azul (“blue ocean”), de águas calmas e quase inexploradas?

Imaginem um Portugal líder num mercado tão inovador e disruptivo que quase não possui concorrentes e onde é muito difícil de entrar ou, até, ser uma opção alternativa. Um mercado que usa matérias primas tão abundantes que não depende de fornecedores exclusivos e permite custos de produção muito baixos e sustentáveis. Um mercado de valor acrescentado tão diferenciador, que o seu preço não é o fator mais importante para os clientes. Um mercado onde ainda são fracas as famosas forças de Porter.

Imaginem um Portugal líder na industrialização da nanotecnologia de materiais, de nano transístores e da nano condução energética, como são os casos da eletrónica transparente e da eletrónica de papel. Sim, é possível.

Basta que queiramos investir na produção daquilo onde já somos dos melhores a investigar. Esta é uma área de futuro onde já provamos que sabemos fazer. Não desperdiçar o potencial económico de todo este conhecimento e talento que estamos a acumular é um imperativo que deve mobilizar o país. Mas para isso é necessário assumir estrategicamente este desígnio e investir. Investir muito. Uma opção que depende, sobretudo, da visão dos Ministérios da Economia e do Ambiente e Ação Climática sobre o posicionamento de Portugal no complexo, vasto e muito competitivo mercado global da energia. E quando os recursos são escassos temos de tomar opções.

De certo que, a concretizar-se, vamos todos desejar que a visão e agenda do secretário de Estado João Galamba para a aposta nacional no hidrogénio se confirme como tendo sido o investimento mais acertado para futuro do nosso país.

No entanto, enquanto não fecharmos um dossier que irá mobilizar milhares de milhões de investimento público na área energética, continuarmos a ignorar a oportunidade de se estudar uma estratégia conjunta de posicionamento de nicho com a equipa da Prof. Elvira Fortunato, para que possamos potenciar aquilo em que já somos verdadeiros diferentes, é que não é smart.

Já o dizia Peter Drucker, um dos pais da gestão empresarial moderna: “Faz aquilo em que és melhor. Subcontrata o resto.”