Crónica

Não chame uma mulher de meu anjo /premium

Autor
3.285

É muito mais fácil chamar uma mulher pelo nome. Ou de você. Ou de tu. Ou de senhora. Reserve seus tratamentos “carinhosos” para quem esteja com alguma vontade de recebê-los.

Não conheço muitas mulheres que tenham vocação para ser anjo. Nem muitos homens, na verdade. Acho que só os anjos têm vocação para ser anjo. Ainda assim, alguns não têm uma performance muito boa, sobretudo na área dos anjos da guarda, que têm deixado muito a desejar no século XXI.

Vez ou outra as nossas mães ainda nos chamam de meu anjo. Não é frequente, talvez nossa cara já tenha mudado demais, mas às vezes ainda acontece. Ocorre que os únicos que têm permissão para isso seguem sendo elas, nossos avós e nossos pais- que raramente o fazem- melhor assim.

Na mesma linha do “meu anjo” temos também o “meu bem” e a “minha linda”. “Minha querida” e “minha filha” não ficam muito atrás. Todas essas formas de tratamento têm o péssimo hábito de nos aparecer em momentos inoportunos, vindos da boca de pessoas com quem não temos nenhuma tipo de relação que autorize esse tipo de discurso.

A questão é: só chame de seu bem, de sua linda, de sua querida ou de sua filha aquelas mulheres que sejam efetivamente o seu bem, a sua linda, a sua querida e a sua filha. As outras não, porque elas não o são e provavelmente não o querem ser. É uma lógica bastante simples.

Acredito que homem nenhum saiba qual é a sensação de estar trabalhando, de estar dando seu melhor como advogada, médica, camareira, enfermeira, chef de cozinha, economista, garçonete, motorista, engenheira, escritora, vendedora e ser rebaixada a meu anjo- com todo o respeito que os anjos merecem.

Nós ouvimos “meu anjo” no mestrado, do colega que julga, naturalmente, saber muito mais do que uma mulher. Ouvimos “meu anjo” do manobrista na garagem, com medo que não saibamos estacionar nosso carro na vaga sem arrancar o retrovisor do vizinho. Escutamos “meu anjo” quando lidamos com clientes que não sabem- ou pior, que sabem- o quão agressiva essa forma carinhosa de tratamento pode ser.

Voltamos, mais uma vez, ao famoso machismo carinhoso. Que, por se considerar inofensivo, bem humorado ou quase afetuoso, ultrapassa serenamente as linhas da cordialidade, passando a criar um desconforto absolutamente evidente para as mulheres que se veem nessas condições.

É muito mais fácil chamar uma mulher pelo nome. Ou de você. Ou de tu. Ou de senhora. Seja o que for, chamá-la daquilo que é normal e minimamente aceitável, sem querer criar a sensação de uma proximidade não autorizada. Reserve seus tratamentos “carinhosos” para quem esteja com alguma vontade de recebe-los. E garanto que essas pessoas não são mulheres desconhecidas, sobretudo aquelas que estão nos seus postos de trabalho.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Morte

Em que momento a dor de uma morte passa? /premium

Ruth Manus
16.005

Aprendi a nunca dizer “seja forte” para alguém que perdeu alguém que ama imensamente. A nunca dizer “siga em frente” para quem viu boa parte da vida perder o sentido. Aprendi a simplesmente abraçá-los

Crónica

Partir A. Ventura /premium

José Diogo Quintela
208

Ventura quer mudar o sistema por dentro. É uma espécie de supositório humano: faz-se introduzir no organismo para depois exercer a sua influência. Ei-lo metade glicerina, metade convicção ideológica.

Crónica

Estes deputados andam a dormir! /premium

Tiago Dores

Da próxima vez, e se quer viajar na TAP, nada como José Eduardo dos Santos marcar consulta em Portugal: mais atrasadas que as chegadas dos voos da TAP só mesmo as consultas nos hospitais portugueses.

Crónica

Amêndoas da Páscoa /premium

Maria João Avillez
231

Daqui a uns dias Notre Dame terá algumas linhas nos jornais e quando muito falar-se-á nos milhões doados pelos “ricos”, não no valor do ex-libris da civilização que nos foi berço e nos é raiz e matriz

Crónica

Subsídio is coming /premium

José Diogo Quintela
392

Um gigante de olhos azuis montado num dragão zombie ainda tem laivos de verosimilhança. Agora o nível de pilhagem do erário público praticado por esta gente exige uma suspensão de descrença bem maior

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)