Rádio Observador

Crónica

Não chame uma mulher de meu anjo /premium

Autor
3.285

É muito mais fácil chamar uma mulher pelo nome. Ou de você. Ou de tu. Ou de senhora. Reserve seus tratamentos “carinhosos” para quem esteja com alguma vontade de recebê-los.

Não conheço muitas mulheres que tenham vocação para ser anjo. Nem muitos homens, na verdade. Acho que só os anjos têm vocação para ser anjo. Ainda assim, alguns não têm uma performance muito boa, sobretudo na área dos anjos da guarda, que têm deixado muito a desejar no século XXI.

Vez ou outra as nossas mães ainda nos chamam de meu anjo. Não é frequente, talvez nossa cara já tenha mudado demais, mas às vezes ainda acontece. Ocorre que os únicos que têm permissão para isso seguem sendo elas, nossos avós e nossos pais- que raramente o fazem- melhor assim.

Na mesma linha do “meu anjo” temos também o “meu bem” e a “minha linda”. “Minha querida” e “minha filha” não ficam muito atrás. Todas essas formas de tratamento têm o péssimo hábito de nos aparecer em momentos inoportunos, vindos da boca de pessoas com quem não temos nenhuma tipo de relação que autorize esse tipo de discurso.

A questão é: só chame de seu bem, de sua linda, de sua querida ou de sua filha aquelas mulheres que sejam efetivamente o seu bem, a sua linda, a sua querida e a sua filha. As outras não, porque elas não o são e provavelmente não o querem ser. É uma lógica bastante simples.

Acredito que homem nenhum saiba qual é a sensação de estar trabalhando, de estar dando seu melhor como advogada, médica, camareira, enfermeira, chef de cozinha, economista, garçonete, motorista, engenheira, escritora, vendedora e ser rebaixada a meu anjo- com todo o respeito que os anjos merecem.

Nós ouvimos “meu anjo” no mestrado, do colega que julga, naturalmente, saber muito mais do que uma mulher. Ouvimos “meu anjo” do manobrista na garagem, com medo que não saibamos estacionar nosso carro na vaga sem arrancar o retrovisor do vizinho. Escutamos “meu anjo” quando lidamos com clientes que não sabem- ou pior, que sabem- o quão agressiva essa forma carinhosa de tratamento pode ser.

Voltamos, mais uma vez, ao famoso machismo carinhoso. Que, por se considerar inofensivo, bem humorado ou quase afetuoso, ultrapassa serenamente as linhas da cordialidade, passando a criar um desconforto absolutamente evidente para as mulheres que se veem nessas condições.

É muito mais fácil chamar uma mulher pelo nome. Ou de você. Ou de tu. Ou de senhora. Seja o que for, chamá-la daquilo que é normal e minimamente aceitável, sem querer criar a sensação de uma proximidade não autorizada. Reserve seus tratamentos “carinhosos” para quem esteja com alguma vontade de recebe-los. E garanto que essas pessoas não são mulheres desconhecidas, sobretudo aquelas que estão nos seus postos de trabalho.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

Salvar o ambiente, mas saber tratar a avó /premium

Ruth Manus
1.851

Teletransportados daquele “inútil” ambiente familiar para seus ricos núcleos (ou bolhas) de debates, terminam por ser um corpo presente na mesa e uma ausência gritante naquele raro momento de partilha

Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus
4.286

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Crónica

Por cá, na Quinta…

Pedro Barros Ferreira
200

Estes prodígios das finanças criticam tudo e todos, direita e esquerda. Nada lhes serve. O que interessa é o que Estado volte a abrir os cordões à bolsa (e nisso os socialistas são bons, sem dúvida).

Crónica

Carta do Di Maria escrita por um médico português

Fernando Leal da Costa
382

Com as devidas adaptações poderia ter sido escrita por um qualquer trabalhador em Portugal ou no mundo inteiro. Por qualquer profissional! Se por um futebolista teria sido lida por milhões de sabichões

Política

The winter is coming

Pedro Barros Ferreira
209

Para travar esta frente fria, é necessário que alguém – por favor alguém! – saia do armário e afirme sem medo que quanto maior for a presença do Estado nas relações humanas maior é a corrupção.

Crónica

O que fazer quando se fazem 50 anos /premium

Alberto Gonçalves
1.198

Se o que importa é o que fazemos com os anos, a verdade é que, nestes 50, fiz o que quis, o que pude, o que soube e principalmente o que calhou. Amanhã, faço 50 anos. E depois de amanhã, faço o quê?

Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)