NOVA SBE: Management Hot Topics

Nosedive (*)

Autor
192

Competências brandas em redes sociais gerarão apenas artificialidade, bipolaridade e comportamentos coreografados. A sociedade tornar-se-á, perdoem-me o termo, uma palhaçada, como em muitos casos já é

A sociedade dos likes está a emergir de forma estonteante e a contaminar tudo e todos.

Esta sociedade poderá vir a adotar implantes visuais e dispositivos móveis que permitem, em conjunto, que todos possamos partilhar as nossas interações com terceiros – em boa verdade com quem quer que seja – numa escala de 1 (um) a 5 (cinco): 1 (um) para má interação a 5 (cinco) para muito boa interação.

As interações farão com que cada indivíduo possua um score e se apresente na sociedade com esse mesmo score (eu sou um score 2 ou eu sou um score 4,8 e isso fará toda a diferença). Passaremos a ser uma média (um score médio) móvel (à medida que nos vão avaliando e tudo, mas mesmo tudo o que seja interação, servirá para nos avaliar). Existirão desde os high flyers com médias de 4,5 para cima aos low end que terão scores médios muito baixos e a tender para zero.

O score contribui, assim, como rating com que cada qual se apresentará mas, também, como condição de acesso a uma série de facilidades: comprar casa com um desconto, por exemplo, ou mesmo aceder a uma casa num bairro, condomínio ou zona mais trendy implica, para além de tudo o mais, um score alto.

A atriz (Bruce Dallas Howard) encena muito bem este espírito na série Black Mirror (season 3, episódio 1), começando o episódio com a atriz a ser detentora de um score de 4,2. Para aceder a um desconto num apartamento de luxo precisa de um score social de 4,5. A atriz vive com o seu irmão que não parece mostrar grande interesse nos scores e neste sistema de ratings. Não passa de um score 2 com uma vida cinzenta em termos sociais e sem acesso a praticamente nada.

Isto dito, Lacie Pound (nome da atriz na série) quer mesmo comprar uma casa de luxo mas tem um handicap: a casa só pode ser vendida a pessoas com scores iguais ou superiores a 4,5. Para tal visita um consultor de ratings que sugere que consiga avaliações de high flyers que lhe possam granjear um grande impacto, assegurando, assim, a passagem de um 4,2 para um 4,5. Em consequência, Lacie tira uma fotografia de um boneco “de trapos” que tinha, em tempos, feito com a sua amiga de infância Naomi, detentora de um score muito elevado e que a poderia introduzir num círculo de amigos com scores também muito elevados (uso emocional com vista a obter uma classificação alta). A amiga reconhece o boneco fotografado e postado nas redes sociais e, pelo dispositivo móvel de classificação, atribui a Lacie um score elevado. Os contactos (perdidos) entre as duas (afastadas há anos) são retomados e a amiga acaba por convidar Lacie para fazer um discurso no seu casamento. Esta oportunidade daria a Lacie uma avaliação elevada de todos os presentes e, consequentemente, a ascensão a um score médio superior ao 4,2 da altura e, possivelmente, a passagem ao 4,5 e a eventualidade de comprar uma casa de luxo.

O episódio da série segue depois por entre inúmeras peripécias mas, desde a possibilidade de ascender a um score de 4,5, a quantidade de acontecimentos sucessivos e negativos seguintes reduzem o score para zero ou próximo. No final, ao chegar ao casamento, já a contragosto da amiga por sabê-la com um rating bem mais baixo, Lacie será classificada de forma negativa pelos convidados e, de descida em descida, o seu score médio passa a 0 (zero), concluindo detida pelos impropérios lançados. Ora nestas circunstâncias, e pelo ocorrido, os implantes visuais são retirados, o mecanismo de avaliação retido e Lacie aprisionada.

Já presa, e sem rating, sem aparelhos de avaliação e feedback, sem mecanismos visuais acessórios, Lacie envolve-se numa troca verbal com um outro recluso que nos conduz ao final do episódio em ascendente de palavreado, palavrão e insulto que, naquele momento, acaba por conceder a liberdade (apesar de presos) a quem, efetivamente, não tem que se preocupar com mecanismos de avaliação. Ganham, finalmente, a liberdade de expressão, perdendo a liberdade de movimentos.

Há várias ilações e conclusões possíveis a partir deste episódio. Ressalto duas.

A primeira grande conclusão retirável a partir da prisão aos likes e não likes das redes sociais é a de que, ao evoluir para um extremo, esses mesmos likes e não likes são condição necessária, mas não suficiente, para aceder a bens e serviços que de outra forma estariam fora do alcance dos indivíduos. Ou seja, os mecanismos de avaliação propiciados pelas redes sociais garantem um score médio a cada pessoa e a própria pessoa terá de o saber manter adotando comportamentos coreografados, plásticos e despropositados que o levarão a permanecer ou ascender a uma condição ainda melhor por melhoria do score. Isto para dizer que estariam lançadas as bases para uma sociedade totalmente artificial com base em comportamentos coreografados (borderline) em frente a terceiros ou sempre que estivéssemos a ser observados. Os comportamentos mais normais ocorreriam em ambientes fechados e sobretudo sem interação social.

Para quem leu o “Future of Jobs Report” (2016) do World Economic Forum, onde se faz a apologia genérica aos soft skills necessários para 2.020, a perplexidade pode aumentar. Vejam-se os skills desejados, por ordem decrescente de importância: (1) Complex Problem Solving; (2) Critical Thinking; (3) Criativity; (4) People Management; (5) Coordinating with others; (6) Emotional Intelligence; (7) Judgement and Decision Making; (8) Service Orientation; (9) Negotiation; (10) Cognitive Flexibility.

Se se interpreter o Complex Problem Solving, o Critical Thinking e o Judgement and Decision Making como substancialmente conexos a soft skills e longe dos instrumentos mais analíticos (que também incluem sendo, hoje em dia, frequentemente ignorados), apenas aparece em décimo lugar, leu bem, em décimo, a primeira competência mais hard e mais cognitiva. Tudo o resto são competências brandas. Ora se os indivíduos usarem estas competências para teatralizarem comportamentos e os coreografarem poderemos ter tudo dito. A farsa, da entrevista de emprego à amizade, das relações mais simples às mais intrincadas, tudo passa por um interesse que tem como retorno a avaliação e a promoção social que permitem a ascensão a scores elevados e benefícios em conformidade.

Portanto, competências brandas em redes sociais gerarão apenas artificialidade, bipolaridade e comportamentos coreografados. A sociedade tornar-se-á, perdoem-me o termo, uma palhaçada – como em muitos casos já é – de pontos e bonificações pelas aparentes virtudes. E com isto emerge todo um outro modelo económico e social que se pode designar por economia dos likes.

A segunda grande conclusão é a que decorre de estarmos permanentemente ligados. Se associarmos o que foi dito na primeira conclusão a uma cada vez maior propensão para estarmos ligados (smartphones e o que seja) o resultado só poderá ser o de nos tornarmos, a prazo, todos freaks. Alguém pagará a alguém, algum dia, bom dinheiro para poder ter uma conversa aberta e franca olhos nos olhos. Presumo, com isto, que as profissões que não estarão certamente em lista de extinção possam ser a de psicólogo clínico e a de psiquiatra. Claro está, em fortíssima ascensão estará também a profissão de consultor para as redes sociais.

(*) – descer em vôo picado

Professor Catedrático, NOVA SBE – NOVA School of Business and Economics

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Poluição

Planeta ou Plástico? Porque temos de escolher

José Crespo de Carvalho

Da produção mundial total, 380 milhões de toneladas por ano, metade é de plástico "single-use", nem sempre fácil de banir. Mas são necessários esforços redobrados para que isso mesmo venha a acontecer

NOVA SBE: Management Hot Topics

Ele há mínimos /premium

José Crespo de Carvalho

Ah, finalmente, não me tratem por Sr. José. É mau demais. Só por José (ninguém se ofenderia, por favor) ou, se querem colocar o Sr, então que seja com o apelido. Sr. Crespo de Carvalho ou Sr. Carvalho

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)