Aborto

Os inviáveis

Autor
565

A contradição-interna mais gritante do estado“-social” é que, sob o pretexto de defender umas pessoas vulneráveis, permite que se liquidem outras pessoas ainda mais vulneráveis.

Durante uma visita a uma empresa agro-pecuária, o grupo entrou no edifício de produção suína. Porcas e leitões aos milhares. Pouco depois de entrar, de repente e sem aviso prévio, nem sequer interrompendo a sua explicação sobre os cuidados de saúde necessários para manter toda aquela população saudável, a sr.ª eng.ª que nos guiava pegou num leitãozinho pelas patas de trás e com o movimento destro e vigoroso do braço esmagou-lhe a cabeça contra uma coluna de cimento. Depois, segurando-o sempre pelas patas traseiras, atirou-o para um bidão que ali estava para o efeito. Reparando no olhar horrorizado da assistência citadina que conduzia, interrompeu a exposição sobre vacinas e higiene suína explicando: “Não era viável…”

Naquele momento, nem o ato nem a explicação pareceram humanos. Mas o facto é que o leitão não era humano, nem nunca o seria por muito que crescesse e se desenvolvesse. Por isso o nosso horror, muito urbano e pouco rural, embora instintivo, vindo de apreciadores de bacon e febras, era hipócrita. Não sendo o porquinho humano não faria sentido exigir que fosse tratado como uma pessoa.

No entanto, que dizer se, em vez de um leitãozinho, a sr.ª eng.ª pegasse num bebé recém-nascido pelos pés e lhe esmagasse a cabeça contra uma bancada ou parede? Ninguém faria isso? Bom, parece que o sr. dr. Kermit Gosnell, um sr. dr. conhecido como America’s Biggest Serial Killer, de vez em quando fazia literalmente isso. E mesmo que muitos dos seus colegas srs. drs. não costumem matar os bebés assim, os métodos que usam nos abortos intra e extra-uterinos, nas “interrupções voluntarias da gravidez” ante e pós-parto, não são menos horríficos, antes são mais brutais e dolorosos para a criança.

Se esses métodos fossem aplicados apenas a porcos, ainda ia que não ia: continuaríamos a comer cozido à portuguesa sem fazer muitas perguntas. Mas que sejam aplicados a seres humanos, regulamentados pelo governo e praticados por “profissionais de saúde”, e defendidos por tudo o que é warxista[1] ou afim, que se diz ser pela “dignidade”, “compaixão” e “direitos”, é distopia a mais para a minha camionete. Deixa uma pessoa sã incapaz de comer sequer fiambre. É prova que “dignidade”, “compaixão” e “direitos” não são mais que chavões para atirar aos olhos da populaça, não são para serem aplicados na defesa dos seres humanos mais fracos e indefesos. E é também a contradição-interna mais gritante do estado“-social” que, sob o pretexto de defender umas pessoas vulneráveis, permite que se liquidem outras pessoas ainda mais vulneráveis. E serve de aviso para que, se hoje se esmagam as cabeças a crianças, amanhã se as esmagará, metafórica ou mesmo literalmente, a velhos, sem-abrigo, neo-liberais, judeus, jesuítas, doentes-não-terminais, desempregados, deficientes, burgueses e outros “inviáveis”. Aqueles a quem dantes chamavam “parasitas”.

(O autor não segue a grafya do novo Acordo Ørtográfico. Nem a do antigo. Escreve como quer e lhe apetece.)

[1] Warxista: o que faz guerra ao que é bom, belo e verdadeiro na Humanidade; pessoa que vê a realidade natural e social ao contrário, de pernas para o ar, tal como um M a fazer o pino. Os warxistas clássicos são militantes do PC; os neo-warxistas estão filiados[2] no PS e BE.
[2] Filiado: (do latim filius) considerado como filho; protegido e alimentado como filho. Curiosamente, no caso dos warxistas do PS e BE, apesar de os filiados nunca serem desmamados, nunca são considerados inviáveis ou parasitários. O mesmo não acontece no PC, que purga com alguma regularidade, sempre que ocorre uma obstipação interna, warxistas que se desnaturaram. O termo “purga” é indicativo, na sua grafia e estética, de como o partido considera a natureza dos seus militantes. Certamente também é indicativo, se bem que involuntariamente, da natureza coprostásica da dita organização internacionalista e da ideologia que professa. Um warxista famoso, Leon Trotsky (1879—1940), depois de ser purgado teve a cabeça esmagada, como um porquinho, não só metafórica, mas também literalmente, neste caso à martelada. Não foi o único. O que demonstra que os warxistas, na sua luta contra o bom, o belo e o verdadeiro na Humanidade, não só tratam as pessoas como porcos, mas se relacionam ente si como suínos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças

Um bitcoin por uma incrível taça de chá /premium

José Miguel Pinto dos Santos
626

Qual é o valor de um bitcoin? Uma barra de ouro, uma casa ou um quadro de Picasso? É exatamente igual àquilo que nós, os homens, na nossa inconstância e vaidade lhe queiramos dar. Nem mais, nem menos.

Identidade de Género

Vénus e a doninha

José Miguel Pinto dos Santos
304

É frequente o poder político e judicial pensar que é Vénus e que ao mudar o nome consegue também alterar a essência às coisas. E, ao contrário da fábula, são cada vez mais as doninhas que ganham juízo

Estado Social

Os três princípios da reta solidariedade

José Miguel Pinto dos Santos
295

Um Estado que faz mal o que deve fazer e deve fazer bem, e que faz ineficiente e deficientemente aquilo que não precisa de fazer, não é um Estado solidário, é um Estado degradante. E degradado.

Eleições

A voz e o voto pró-vida em Portugal

José Maria Seabra Duque
209

Vamos entrar em ano de eleições, primeiro europeias, depois legislativas, e a Federação Portuguesa pela Vida vai lançar um questionário a todos os partidos e cabeças de listas que a elas concorrerem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)