Rádio Observador

Identidade de Género

Os rapazes também podem ter o “período”

Autor
1.065

Começam a surgir pessoas que exigem o reconhecimento de que têm menos anos de idade, de que são de outra cor ou raça, de outra espécie ou até um misto disto. É a vontade a prevalecer sobre a realidade

É verdade: os rapazes também podem ter o “período” (perdoem-me a entrada, mas é exatamente este o título da notícia do The Telegraph). É isto que vai começar a ser ensinado a algumas crianças inglesas de Brighton & Hove, de acordo com o jornal britânico. O objetivo é, claro está, assegurar que também a menstruação é inclusiva e que ninguém se sente discriminado em função do seu género. Por isso, entre outras coisas, todas as casas de banho de crianças passarão a ter caixotes destinados a produtos de menstruação.

Está o leitor surpreendido? Não esteja. Isto é apenas mais um exemplo das muitas maravilhas que os camarados da ideologia de género têm produzido. As bandeiras da “inclusão”, da “não discriminação”, da “igualdade” e da “tolerância” têm servido de pretexto para tudo. Imagine o leitor que, recentemente, naquele mesmo país, um violador (Karen White) de declarou trans e exigiu, em sede de julgamento, ser enviado para uma prisão de mulheres – pedido a que o juiz acedeu, certamente para não ferir aqueles nobres valores. Consegue imaginar o resultado? Surpreendentemente, e contra tudo o que se podia esperar, Karen White acabou por… violar outras mulheres.

Nesta deriva de total desfasamento da realidade, e seguindo exatamente a mesma lógica dos defensores da ideologia de género, começam agora a surgir casos de pessoas que exigem o reconhecimento de que têm menos anos de idade (veja-se o caso de Emile Ratelband), de que são de outra cor ou raça (os chamados transraciais, como Rachel Dolezal), de outra espécie (Tony McGinn, por exemplo, nasceu mulher, mas agora é um homem transgénero que se identifica como um cão) ou até um misto disto (Stefonknee Wolscht decidiu abandonar a mulher e os sete filhos para começar uma vida nova, na qualidade de uma menina de 6 anos). O princípio é exatamente o mesmo: se os fatores psicológicos e culturais se sobrepõem aos biológicos, se a vontade prevalece sobre a realidade, então não há por que negar os direitos destas pessoas (a menos que sejamos “intolerantes”, “misóginos”, “fascistas” e afins).

No caso da ideologia de género, é preciso recordar que este desfasamento da realidade não é inocente, escondendo um propósito político muito claro (que, infelizmente, a maioria dos seus advogados desconhece): destruir a sociedade “patriarcal” em que vivemos. Assumindo que “o primeiro antagonismo de classe que apareceu na história coincide com o desenvolvimento do antagonismo entre o homem e a mulher na monogamia e a primeira opressão de classe coincide com a opressão do sexo feminino pelo sexo masculino” (Engels, A Origem da Família, Propriedade Privada e Estado) e que “a família patriarcal é a estrutura e o sustento ideológico de todas as ordens sociais baseadas no princípio do autoritarismo” (Wilhelm Reich, A Revolução Sexual), os arautos do progresso sugerem-nos (i) substituir a prisão do “sexo” pela autodeterminação de “género”; e (ii) instalar o caos na sociedade, através da multiplicação e desvirtuação de géneros [imagine o leitor que uma pessoa que criasse uma conta no Facebook em 2014 já podia escolher entre 71 géneros, entre eles “género-fluído” (uma pessoa cujo género não é fixo) ou “poligénero” (uma pessoa que se identifica com vários géneros, normalmente quatro ou mais)]. Se isto lhe cheira a teoria da conspiração, então olhe para o livroProblemas de Género: Feminismos e subversão de identidades, no qual a famosa filósofa Judith Butler se propõe responder, cristalinamente: “Qual a melhor forma de abalar as categorias de género que suportam a hierarquia de género e a obrigatoriedade da heterossexualidade?“.

Poderíamos então definir a ideologia de género, recorrendo às palavras do argentino Agustín Laje, como “um conjunto de ideias anti-científicas que, com propósitos políticos, extirpa a sexualidade humana da sua realidade natural e a explica somente pela cultura“. É por tudo isto que não devemos estranhar que os rapazes possam ter o período, assim como não devemos estranhar que, amanhã, nos venham explicar que os homens também podem dar de mamar. Para fazer valer esta agenda perversa, todos passam a ter direito não apenas à própria opinião, mas também aos próprios factos; a natureza, a biologia e a realidade são apenas um pormenor de circunstância.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assembleia Da República

Quotas para quem?

Pedro Morais Vaz

Quem nos garante que, caso os africanos passem a beneficiar de quotas, não teremos os brasileiros – um dos grupos mais discriminados em Portugal – a exigir o mesmo tratamento no dia seguinte?

Civilização

A Europa e a cultura do repúdio

Pedro Morais Vaz
140

A maior ameaça ao futuro da Europa reside no que Roger Scruton apelidou de “cultura do repúdio” e que se propõe repudiar tudo o que encara como tipicamente “nosso” para que ninguém se sinta "excluído"

Educação

A doutrinação das crianças

Pedro Morais Vaz
4.773

Convém perceber exatamente que mensagem se pretende transmitir aos nossos filhos de 11 anos quando alguém se lhes propõe falar acerca de “igualdade de género” ou “orientações sexuais”.

Identidade de Género

Vénus e a doninha

José Miguel Pinto dos Santos
304

É frequente o poder político e judicial pensar que é Vénus e que ao mudar o nome consegue também alterar a essência às coisas. E, ao contrário da fábula, são cada vez mais as doninhas que ganham juízo

Educação

Ideologia de Estado

Mário Cunha Reis
1.690

A área de Cidadania e Desenvolvimento dirigida a crianças desde os 6 anos de idade é o “cavalo de Troia” para a introdução da ideologia de género, da sexualidade precoce e da cultura LGBT.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)