Politicamente Correto

Os sem palavras /premium

Autor
1.747

Nada é dito directamente: os trabalhadores são colaboradores e os deficientes pessoas portadoras de deficiência. Somos os perifrásticos. E o PSD enquanto "não esquerda" é a perífrase por excelência.

Primeiro os velhos tornaram-se idosos. E um dia, não se consegue já precisar qual, os cegos passaram a invisuais e o morrer tornou-se partir.

O chumbo ou reprovação transformou-se em retenção.

Os gordos passaram a obesos.

Os trabalhadores deram lugar aos colaboradores. Os despedidos a dispensados.

Depois do incêndio no Pinhal de Leiria, António Costa plantou simbolicamente um sobreiro no terreno ardido do que fora pinhal. Um ano depois, todos os sobreiros plantados no Pinhal de Leiria morreram. E mesmo que algum tivesse sobrevivido nunca atingiria uma dimensão considerável pois os solos arenosos do Pinhal de Leiria não o permitiriam. Tudo não passou portante de uma operação para jornalista ver. Outrora isto seria considerado populismo. Agora é designado como habilidade.

O sexo passou a género.

Os maridos e mulheres deram lugar ao assexuado cônjuge ou, como recomenda a União Europeia, a parceiro/parceira.

Os homens e mulheres são agora indistintamente pessoas.

Os homossexuais tornaram-se gays.

Mas eis que se constatou que tal exercício de busca de sinónimos não era suficiente. Foi aí que chegaram as perífrases ou seja esse bizarro falar por rodeios. E assim os idosos que já não eram velhos passaram a terceira idade. As prostitutas tornaram-se trabalhadoras do sexo.

Os invisuais a quem já não se podia chamar cegos deram lugar às pessoas portadoras de deficiência.

Catarina Martins diz que “um segredo bem escondido é que Portugal dá lucro. O excedente primário do OE será de 6 mil milhões de euros mas, devido ao serviço da dívida, mais de 8 mil milhões serão canalizados para o sistema financeiro.”  A sério que Catarina Martins acha que podemos deixar de pagar a dívida? E depois que nos empresta dinheiro?  Outrora uma afirmação deste teor era designada como sintoma de burrice, de má fé  ou de ambas as coisas. Agora tornou-se a expressão de uma necessidade conjuntural de produção de um discurso de apoio ao governo enquanto se mantém uma atitude crítica e combativa face ao mesmo.

As empresas deixaram de falir e passaram a estar em reestruturação de serviços.

Os trabalhadores despedidos que entretanto tinham passado a colaboradores dispensados começaram a ser designados como elementos cuja colaboração cessou.

As coisas mais simples passaram a ter de ser referidas por sequências de palavras frequentemente sem sentido. As categorias profissionais tornaram-se uma espécie de cabides em que se acumulam palavras como quem pendura casacos: as hospedeiras deram lugar às assistentes de bordo e as funcionárias das escolas tornaram-se auxiliares de acção educativa.

Marcelo ligou em directo para o programa da Cristina Ferreira. Marcelo era a favor das propinas mas agora é contra, Marcelo grava mensagem sobre Roberto Leal para programa da RTP. Marcelo aprovou as 35 horas na função pública mas ia avaliar o seu impacto. O impacto já chegou mas Marcelo não o avaliou  ainda. Marcelo responde às críticas de  Manuel Luís Goucha sobre a sua participação no programa de Cristina Ferreira, recordando ao apresentador a entrevista que já lhe deu… Antigamente a isto chamava-se palhaçada e degradação da função presidencial. Agora são afectos.

Neste zelo de uma linguagem livre dos pecados do machismo, racismo, homofobia… as expressões aplaudidas num determinado momento logo se revelam desadequadas. E assim, os velhos depois de terem sido idosos e terceira idade tornaram-se seniores.

Os pretos que tinham passado a negros e em seguida a pessoas de cor são agora referidos como africanos. E para não ser acusado de discriminação de género o “Ladies and gentlemen” passou a “Hello, everyone”.

Tornámo-nos uma sociedade em que nada é dito directamente. Falamos por rodeios. Somos os perifrásticos.  Agarramo-nos a expressões neutras como sinal da nossa tolerância; por todo o país empresas e organismos oficiais produzem documentação recomendando que se recorra à linguagem neutra para “promover  a igualdade entre homens e mulheres” (Porque serão homens e mulheres mais iguais caso usemos como recomenda esta publicaçâo a expressão “o povo português” em vez de “os portugueses”, “a gerência” em vez de “o gerente” ou que digamos que temos “data de nascimento” em vez de sermos “nascidos a” é um mistério)

Compomos frases enormes para não termos de dizer o óbvio. Recorremos ao eufemismo para mascarar a realidade. Temos medo das palavras. Usamo-las com mil cuidados não vão elas revelar o que de facto pensamos e não a forma como devemos ver o mundo.

E que símbolo melhor temos destes tempos de perífrase  do que esse PSD enquanto  partido de “não esquerda” que também “não quer o rótulo da direita”? Um partido que opta definir-se não pelo que é mas sim pelo que não é, não só não existe ideologicamente falando, como abdica de ter outra proposta para a governação que não seja a de fazer, no seu dizer melhorzinho, aquilo que os outros – os donos das palavras  – defendem sem eufemismos nem perífrases.

Em política e na vida a gramática conta. E  a erradicação da perífrase é um programa político urgente.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
1.256

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Crónica

Os amigos /premium

Helena Matos
780

Os amigos uns dos outros. Os amigos de Peniche. Os amigos dos animais. Os amigos do alheio. O amigo de todos... Com amigos assim não precisamos de inimigos. 

Liberdades

Também tu, Universidade de Harvard?

Luís Ribeiro
190

Viver na espuma dos acontecimentos, sem aprofundar as consequências, leva a isto: cai um preconceito, mas é logo substituído por outro. O preconceito racial é substituído pelo preconceito do #MeToo.

Crianças

Os chimpanzés não contam histórias

Eduardo Sá
3.089

Uma escola de Barcelona retirou livros como "A Bela Adormecida" e o "Capuchinho Vermelho", por as considerarem histórias tóxicas ou sexistas. E o mais grave é que esta onda populista não parece parar.

Politicamente Correto

A confusão dos géneros

Gonçalo Forjaz
532

A evolução do acrónimo LGBT é reveladora, crescendo até LGBTQIA e tendo agora fórmula final sugestiva: LGBTQIA+. Ou seja, um zoófilo, um pansexual ou um poliamoroso terão que se limitar à categoria +

Politicamente Correto

Bem-vindos à ditadura do sem /premium

Helena Matos
10.332

Sem sexo. Sem glúten. Sem lactose. Sem nomes. Sem carne. Sem peixe. Sem pai nem mãe. Sem gorduras. Sem cor... Aterrados com o sermos a “favor de” transformámos o quotidiano numa casa de pânico. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)