António Costa

Oxalá fosses frio ou quente

Autor
684

Todos, quando teve de ser, cortaram salários e pensões; e todos, quando pôde ser, aumentaram salários e pensões. O que ninguém fez foi afrontar o Estado clientelar que é base do poder da oligarquia.

À primeira vista, não se percebe: António Costa pretende, segundo diz, manter Portugal no euro, mas o seu governo depende de partidos contrários ao euro; vive do ódio à direita, que acusa de ter empobrecido o país e de conspirar contra a pátria, mas não perde uma oportunidade de sugerir “consensos políticos amplos” ao PSD. Contraditório? Não, contraditório não é a palavra. Estamos perante outra coisa: uma maneira de não optar, de manter tudo em aberto. Costa contestou a política europeia, e está agora ao lado do PCP. Mas não deseja tirar daí nenhuma grave consequência. Entretanto, ajeita o Orçamento todos os dias, no meio da maior agitação de taxas de juro desde 2012.

António Costa desconfia, como todos os outros oligarcas, de que há um lugar do morto na política portuguesa. Alguém vai ter de expiar o fim das ilusões. Mas quem? Ninguém sabe, e todos os partidos têm esperança de que seja o outro. A questão é não se deixarem apanhar, não se deixarem definir, e, pelo contrário, tentarem definir e marcar os adversários. O PS diz que o PSD é austeritário e neo-liberal, e o PSD diz que o PS é despesista e radical. Nenhum deles, porém, ousa dizer, em relação a si próprio, o que é e para onde nos quer levar. Nenhum deles quer dar um passo em falso, nenhum deles se quer comprometer. Por isso, o PSD não fez mudanças estruturais e toma agora lições de António Guterres, e o PS discorre com fervor sobre “consolidação orçamental” e disfarça os confrontos com a Comissão Europeia. Ocorre a repreensão bíblica: “não és nem frio, nem quente. Oxalá fosses frio ou quente”.

As diferenças são todas de nuance, a que só a chicana política dá depois profundidades de abismo e de apocalipse. A verdade é que todos, quando teve de ser, cortaram salários e pensões; e todos, quando pôde ser, aumentaram salários e pensões. Dir-me-ão: são pragmáticos, ainda bem. Não, isto não é pragmatismo. É apenas indefinição. O que nenhum oligarca fez, mesmo quando teve de ser, mesmo quando podia ser, foi afrontar o Estado clientelar, conhecido pelo eufemismo de “Estado social”, que todos, à vez, desenvolveram nos últimos quarenta anos. De fora, dizem-lhes que talvez seja a única maneira de reanimar uma economia que diverge da Europa desde o princípio do século. Mas os oligarcas hesitam. Em quem se apoiariam para as “reformas”, quando eles próprios reduziram a cidadania em Portugal a uma massa envelhecida de funcionários e de pensionistas? Mas por outro lado, também sabem que não podem dispensar o BCE. Por isso, dá-se quando se pode, tira-se quando é preciso. Deu-se em 2009, e por isso teve de se tirar em 2011; tirou-se em 2011, e por isso pode dar-se em 2016: para tirar quando, outra vez? As “medidas adicionais” já estão preparadas. Andamos à roda. As mesmas ideias, as mesmas acusações, os mesmos medos vão e vêm, como num carrossel.

O mais extraordinário de toda esta história é que, do ponto de vista político, nada de fundamental parece ter acontecido. Vivemos entre austeridades. Mas onde está o nosso PASOK afundado, os nossos PP e PSOE a 20%, o nosso Syriza ou a nossa Frente Nacional a adiantarem-se? Ninguém entrou em colapso, nada apareceu de novo. PSD e PS mantêm-se acima dos 30%. O BE teve em 2015 menos votos do que em 2009 (550 mil versus 557 mil). Mais deputado ou menos deputado, o parlamento conserva a estrutura dos últimos quinze anos. Os balanços políticos são inconclusivos. Nenhum partido perdeu ou ganhou decisivamente. O PSD ficou fora do governo, mas venceu as eleições. O PS perdeu as eleições, mas está no governo. As sondagens não desempatam. Ninguém sabe ao certo para onde vamos. Tudo ainda pode acontecer, sobretudo se o BCE fechar a mão. E é por isso que o PSD e o CDS não são liberais, o PS não é radical, e até o PCP e o BE são discretos sobre as cedências do PS à comissão europeia. Esperam, poupam-se, não arriscam. Quem está no lugar do morto? Um deles, todos eles — ou todos nós?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Operação Marquês

Porque é que só há uma Ana Gomes?

Rui Ramos
1.127

A sociedade portuguesa gera rotação no poder quando o dinheiro acaba, como vimos em 2002 ou em 2011. Mas já não gera alternativas, como constatámos em 2015 com o regresso dos colegas de Sócrates.

Rui Rio

O regime da irresponsabilidade

Rui Ramos
333

Tal como o PS apagou as suas responsabilidades na bancarrota de 2011, o PSD pretende apagar as suas responsabilidades na saída limpa de 2014. Daí os "acordos" desta semana.

Identidade de Género

A lógica das causas fracturantes

Rui Ramos
331

A legislação sobre a identidade de género deixa-nos com uma questão: tal como acontece com a religião, não seria melhor o Estado deixar pura e simplesmente de registar o sexo dos cidadãos? 

PSD

O vice-primeiro-ministro Rui Rio

Luís Rosa
449

Rui Rio é mesmo o vice-primeiro-ministro ideal. É útil, diligente, prático e discreto. Em suma, Rio tem um valor político objetivamente superior a qualquer ministro e faz brilhar António Costa.

Governo

O governo de Sócrates é o maior problema de Costa

João Marques de Almeida
352

A transformação do ‘problema Sócrates’ no ‘problema do governo Sócrates’ será o maior obstáculo a uma maioria absoluta do PS em 2019 - pois afinal foi numa maioria absoluta do PS que tudo aconteceu.

Bioética

Eutanásia: ouvir os avisos da Holanda

Isabel Galriça Neto

Os factos e a realidade da Holanda estão à vista de quem os quiser ver, não podem ser ignorados, e suportam a inconveniência de fazer uma lei que permita a eutanásia na linha das propostas existentes.

Finanças Públicas

O esbulho fiscal

Luís Aguiar-Conraria

Se é verdade que a nossa carga fiscal está ligeiramente abaixo da média da União Europeia, também é verdade que o nosso esforço fiscal está muito acima da média. Está, por exemplo, 37% acima do alemão

Arrendamento

As casas a quem as trabalha

Maria João Marques

Não se percebe bem se é um grande amor socialista pela homeopatia – vamos lá provocar a escassez de casas para combater a escassez de casas – se é mesmo uma reforma agrária agora em versão urbana. 

Democracia

Não é cool ser contra o 25

Pedro Barros Ferreira

Na música parece ser impossível ser de Direita e gostar de Sérgio Godinho. Pois eu gosto. Parece impossível gostar da “Vida de Bryan” e ser católico. Pois eu sou e esse filme é um dos da minha vida. 

Impostos

Ode ao Portal das Finanças

José Miguel Pinto dos Santos

Pode ser que o Portal das Finanças tenha reduzido atritos entre cobradores e contribuintes, mas uma carga fiscal excessiva continuará sempre a gerar fuga aos impostos através de uma economia paralela

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site