Rádio Observador

Ucrânia

Poroshenko mina campo de acção de Vladimir Zelenski /premium

Autor
135

Na Ucrânia, país onde, segundo a propaganda russa e da extrema-esquerda portuguesa, pululam o nazismo e o anti-semitismo, mais de 73% dos ucranianos elegeram Vladimir Zelenski, judeu e actor cómico.

O ainda Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, não se conformou com a pesada derrota nas presidenciais frente a um candidato que, inicialmente, poucos levaram a sério. Num país onde, segundo a propaganda russa e da extrema-esquerda portuguesa, pululam o nazismo e o anti-semitismo, mais de 73% dos ucranianos elegeram Vladimir Zelenski, judeu e actor cómico.

Como vingança, Poroshenko e os seus homens na Rada Suprema (Parlamento) da Ucrânia tomam decisões que irão complicar a vida a Vladimir Zelinski.

Uma delas foi a decisão de marcar a data de investidura do novo Presidente para o próximo dia 20 de Maio. Zelenski, sabendo que terá de enfrentar uma maioria parlamentar agressiva, dominada pelo seu adversário, insistiu para que essa cerimónia tivesse lugar antes, mas encontrou a resistência não só do Presidente, como também do Parlamento, da Comissão Eleitoral e do Supremo Tribunal da Ucrânia. Isto porque o novo dirigente só terá sete dias para dissolver o Parlamento e avançar para eleições parlamentares.

À imagem do Presidente francês Emmanuel Macron, com quem se encontrou antes de ser eleito, Zelenski está a criar rapidamente um partido político “Servidores (Servos do Povo) para conseguir ter apoio no próximo Parlamento.

Aliás, os conselheiros de Zelenski não escondem que a decisão sobre a dissolução do Parlamento já foi tomada.

Porém, se esta medida for tomada, poderá não ser acatada pelos deputados ucranianos. A fim de impedir a realização desse cenário, o grupo parlamentar Frente Popular abandonou, na sexta-feira, a coligação que detinha a maioria apoiante de Poroshenko, o que, segundo alguns juristas, impede a dissolução da Rada Suprema. Segundo a Constituição, os deputados têm um mês para criar uma nova coligação, o que significa que, se não for possível fazê-lo, o Parlamento não poderá ser dissolvido pois o país está a menos de meio ano das eleições parlamentares.

Mas, segundo os apoiantes do novo Presidente, a ausência de coligação no Parlamento permite a Zelenski dissolvê-lo e convocar eleições parlamentares antecipadas.

Seguindo o calendário oficial, as eleições parlamentares deverão decorrer a 27 de Outubro deste ano, o que, a ser cumprido, irá “atar os braços” de Zelenski durante quase meio ano. O perigo de desentendimentos e de confrontos é real se tivermos em conta que, por isso, não se pode excluir a possibilidade de o novo Presidente entrar em confronto com deputados, provocando novas crises políticas. Isto devido ao complicado sistema de formação do Governo no país. Zelenski, por proposta da coligação parlamentar, tem direito a apresentar a candidatura do primeiro-ministro, mas cabe a ele a escolha dos ministros dos Negócios Estrangeiros, Defesa, do presidente do Banco Central, dos membros da Comissão Eleitoral Central e do chefe do Serviço de Segurança da Ucrânia. Os restantes ministros são nomeados e demitidos pelo Parlamento.

Este esquema complexo irá permitir à oposição dificultar a realização do programa de reformas que Zelenski quer rapidamente fazer.

Revelando dificuldades em respeitar o voto dos ucranianos, Petro Poroshenko, deixou alguns “presentes envenenados” para o seu sucessor. Por exemplo, assinou a lei “Sobre o Emprego do Ucraniano como Língua Oficial”, que estabelece que o ucraniano é o único idioma oficial do país. Num país onde a língua russa tem uma expressão muito significativa, a entrada em vigor da lei poderá contribuir, nas palavras de Vladimir Zelinski, para a divisão da Ucrânia, sublinhando que uma lei tão melindrosa deveria ter sido objecto de uma mais ampla discussão pública. Além do mais, a nova lei também não respeita o direito de minorias como a húngara e polaca no Ocidente da Ucrânia.

Esta lei foi alvo de fortes críticas por parte não só da Rússia, mas também da União Europeia, que pediu aos deputados que não aprovassem o documento antes de ele ser sujeito à análise da Comissão de Veneza do Conselho Europeu. Todavia, os parlamentares ucranianos não ouviram os apelos da UE.

A Ucrânia vive numa situação de “guerra híbrida” permanente com a Rússia no Leste do país, embora o Kremlin negue qualquer tipo de participação nos confrontos militares em Luganks e Donetsk. Ainda recentemente, o Presidente Vladimir Putin, decidiu distribuir passaportes russos naquelas duas repúblicas separatistas, e o objectivo não é resolver os graves problemas demográficos que a Rússia enfrenta. Experiências passadas mostram que se trata de mais uma forma de anexação de territórios dos Estados vizinhos.

Sendo assim, a Ucrânia necessita de consensos para resolver estes e outros graves problemas económicos, sociais e políticos, mas parece que a sede de poder continua a ditar o comportamento de uma parte da elite ucraniana. Esperemos que Zelenski tenha tanto êxito quanto o herói do seu filme “Servos (Servidores) do Povo”.

P.S. Ainda não sei em quem vou votar nas eleições europeias, mas irei lançar o meu voto na urna, pois é preciso travar o passo a demagogos e populistas.  

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)