A 4 de setembro celebra-se pela primeira vez o Dia Nacional do Psicólogo, uma especial homenagem aos cerca de 21.000 psicólogas e psicólogos portugueses e ao trabalho que têm desenvolvido em e por Portugal, nas mais diversas áreas, contextos e setores da sociedade.

A todas/os psicólogas e psicólogos que, consistente e paulatinamente, têm contribuído para uma sociedade mais inclusiva e mais equitativa, através de compromissos sucessivos com políticas públicas de saúde, de educação e de justiça social, procurando assegurar direitos humanos fundamentais como o bem estar e a qualidade de vida, a igualdade de oportunidades, a não discriminação e a não exclusão social.

Desde as/os que desenvolvem ações fundamentais nos contextos educativos e de aprendizagem formais e informais, no desenvolvimento pessoal e social, vocacional e de carreira, na promoção de competências e reabilitação de pessoas com incapacidade, promovendo o sucesso escolar e profissional, prevenindo fenómenos de violência e comportamentos de risco, e apoiando na construção de ambientes de aprendizagem emocionalmente saudáveis.

Às/aos psicólogas e psicólogos cuja intervenção tem apoiado a defesa e a proteção de crianças, jovens, suas famílias e sociedade, colaborando e assessorando tecnicamente tribunais e outros órgãos judiciais e sistemas legais, em processos de acolhimento e adoção, de regulação do poder paternal, na intervenção junto de vítimas de violência ou de crime (e das pessoas que lhes são próximas), ou junto das/dos agressoras/es.

Àquelas/es que diariamente aplicam as ciências e a intervenção psicológicas aos contextos e comportamentos de saúde (ou de doença), melhorando o bem estar, a saúde psicológica e a qualidade de vida dos indivíduos e da população portuguesa (incluindo cuidadores e familiares, profissionais e autoridades de saúde), apoiando nos processos de recuperação da doença, na gestão da dor ou na doença crónica, promovendo a longevidade e o envelhecimento saudável e ativo, e ao mesmo tempo contribuindo para a melhoria, humanização, eficácia e impacto dos cuidados de saúde.

Desde as/os que se têm ocupado com o combate ao estigma associado à doença mental e em trazer à consciência a importância de promover a saúde mental nos locais de trabalho, com efeitos significativos no bem estar de colaboradores, suas famílias, e respetivo impacto nas empresas, sua produtividade económica e do país.

Às/aos psicólogas e psicólogos que se empenham em melhorar a motivação, tomada de decisão, rendimento, performance e o bem estar nos mais variados contextos desportivos e performativos.

Àquelas/es que realizam intervenção psicológica em situações de crise ou catástrofe, como as vividas no flagelo dos incêndios no ano transato, ou intervêm para a prevenção dos consumos/comportamentos aditivos, ou para a prevenção do risco de suicídio.

Os exemplos não cessariam. Em suma, a todas/os psicólogas e psicólogos que, da legislação, às políticas e às práticas, trabalham para a promoção do desenvolvimento, prevenção, tratamento, reabilitação psicossocial ou reinserção social, para a promoção do sucesso pessoal dos seus clientes nos diferentes contextos de vida (escola, trabalho, família…), procurando que cada ser humano, organização ou comunidade alcance o seu máximo potencial.

A Psicologia valoriza os indivíduos, as organizações e o coletivo. As evidências científicas e os resultados positivos da intervenção psicológica são muitos e sólidos, atravessam toda a experiência humana e simultaneamente permitem poupar no investimento económico necessário à recuperação, e no sofrimento a ela associado.

É exatamente nessa sinergia entre o desenvolvimento psicológico e o consequente compromisso cívico de cada indivíduo com a sociedade (que se creem mais ajustados e saudáveis), que assistiremos a novas gerações de cidadãos, de organizações e de líderes da justiça social. É exatamente aí, no contexto de uma sociedade mais saudável, mais resiliente aos desafios da modernidade, economicamente mais viável e socialmente mais coesa. É exatamente aí que a Psicologia, as psicólogas e psicólogos, diariamente aportam mais humanismo e mais ética humana, e contribuem persistentemente para o desenvolvimento psicológico, económico, político e social da nação.

Parabéns a todas/os psicólogas e psicólogos pelo vosso tão singular contributo.

Vice-Presidente da Ordem dos Psicólogos Portugueses