Ontem, como não podia deixar de ser, estive a noite toda agarrado à grande obra de ficção dos tempos modernos, a saga de uma família das Terras Frias que, contra tudo e contra todos, luta para defender e expandir os seus domínios. Falo, como é evidente, da família de Luís Correia e Hortense Martins, presidente da Câmara de Castelo Branco e deputada do PS, e das atribulações passadas em busca de poder e fortuna. Há épicas trafulhices, há golpadas mágicas, há vilões tenebrosos. Só não há anões beberolas. Mas, se for preciso arranjar um, de certeza que o autarca tem um primo que é sócio do maior fornecedor de anões da Península Ibérica.

Antes de continuar, tenho de pedir desculpas por usar o velhinho estratagema de parecer conduzir o leitor em direcção a um tema óbvio da actualidade, para, num surpreendente volte face, mudar de rumo e falar afinal de outro tema. O estratagema implica comparar os dois assuntos e exagerar determinada característica naquele que desejo tratar, para produzir comicidade. Neste caso, a analogia é entre o grau de fantasia na Guerra dos Tronos e aquele que vislumbro nas aldrabices desta família de políticos, que, para efeitos de humorismo, considero ser superior. É um estratagema estafado e preguiçoso, típico de quem não dedicou muito tempo ao texto. Lamento, mas estive colado às façanhas de Luís Correia e Hortense Martins até o sol raiar, de maneira que acabei por nem dormir.

No episódio mais recente, os deputados da Comissão do Ambiente da AR foram em visita de estudo a Castelo Branco e, por coincidência, ficaram hospedados no Hotel da colega Hortense Martins. Isso, à luz do estatuto dos deputados, torna a estadia ilegal. Dormiu-se fora da lei, porque é incompatível ser-se proprietária de um bem que é contratado pelo organismo público para o qual se trabalha. Mesmo que, como acontece, o Hotel seja apenas um bocadinho de Hortense Martins, pertencendo a maior parte ao seu pai, Joaquim Martins.

Joaquim Martins que é um nome famoso para os verdadeiros fãs da saga albicastrense: trata-se de um dos proprietários da Strualbi, a empresa de alumínios que, como foi noticiado no ano passado, assinou vários contratos com a CM de Castelo Branco, mais precisamente com o presidente Luís Correia. Que é marido de Hortense Martins. Logo, genro de Joaquim Martins.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.