Brexit

Um ‘Ovni’ britânico? Chama-se democracia… /premium

Autor
134

No debate britânico, não há violência nas ruas, nem ‘coletes amarelos’. Tudo tem ocorrido ordeiramente no Parlamento — a mãe de todos os Parlamentos, desde pelo menos a Magna Carta de 1215.

Tem sido alvo de grande sarcasmo a sucessão de episódios e votações contraditórias no Parlamento britânico na semana passada. Comentadores dos mais variados quadrantes políticos concorrem entre si na nova grande competição politicamente correcta: quem consegue ridicularizar mais o que se está a passar no Reino Unido? Quem consegue sublinhar mais as ‘terríveis consequências’ da decisão britânica de sair da União Europeia?

Talvez um ténue conhecimento da história política europeia e das ilhas britânicas pudesse ao menos gerar um prudente cepticismo face ao que se está a passar no Reino Unido. E, já agora, uma prudente curiosidade comparativa com o que se está a passar na maior parte dos países da União Europeia continental.

Primeiro aviso de prudência: no debate britânico, não há violência nas ruas, nem ‘coletes amarelos’. Tudo tem ocorrido ordeiramente no Parlamento — a mãe de todos os Parlamentos, desde pelo menos a Magna Carta de 1215, cuja soberania foi reafirmada pela relutante revolução conservadora-liberal de 1688 (a mais recente revolução ocorrida nas ilhas britânicas).

Segundo aviso de prudência: não há nenhum ‘partido populista’ a protagonizar o debate britânico. A grande divisão de opiniões e votações tem ocorrido sobretudo no seio do mais antigo partido parlamentar britânico — o Partido Conservador. Certamente por acaso (dirão os comentadores continentais), é também o mais antigo partido da Europa, do Ocidente e, consequentemente, do mundo (que me perdoem os defensores politicamente correctos da originalidade do Terceiro Mundo).

Terceiro aviso de prudência: em contrapartida, na maior parte dos países da Europa continental, os partidos clássicos (ainda que comparativamente recentes, por padrões britânicos) estão a desaparecer e a ser substituídos por novos partidos — sem memórias comuns, sem tradições, sem referências ancestrais. O que eles defendem realmente ninguém sabe ao certo. E ninguém pode seguramente saber, precisamente porque eles são recém-criados, são tendencialmente revolucionários (da esquerda ou da direita), e não têm tradições.

Isto leva muitos analistas continentais a avaliar o eurocepticismo britânico pelos padrões revolucionários continentais. Dizem que o ‘Brexit’ é fundado no proteccionismo, na xenofobia e no ‘fechamento’ intelectual — características que em parte podem ser atribuídas aos novos partidos (designados de populistas) na Europa continental.

Nunca fui defensor do ‘Brexit’ (porque acho que o Reino Unido faz muita falta à União Europeia), mas também nunca acreditei nessas fábulas continentais contra os ‘brexiteers’ britânicos. Quem acompanhou a campanha do referendo no Reino Unido, sabe muito bem que a campanha pelo ‘Brexit’ foi fundamentalmente sustentada nos princípios da soberania do Parlamento nacional e da chamada ‘Global Britain’ — capaz de soberanamente praticar comércio livre com o resto do mundo, não apenas com a União Europeia. Eram, basicamente, os princípios defendidos pelo europeísmo céptico de Margaret Thatcher.

Parece ser um facto, no entanto, que há pelo menos um ponto comum entre os ‘brexiteers’ britânicos e os novos partidos eurocépticos (chamados de populistas ou nacionalistas) continentais. Poderíamos designar esse ponto comum como ‘orgulho nacional’ ou ‘sentimento nacional’. Todos eles parecem querer sublinhar a soberania nacional em contraposição a um entendimento supranacional da União Europeia.

Quarto aviso de prudência: a hostilidade contra o sentimento nacional é uma inovação gerada por um entendimento particular (a meu ver sectário) do projecto europeu. ‘Mais Europa’ (no sentido de mais integração supranacional) tornou-se o dogma comum de um certo tipo de alegados defensores do projecto europeu. Trata-se de uma ilusória utopia dogmática, com raízes na especificidade dogmática do Iluminismo continental.

Em boa parte, foi o dogmatismo supranacional que empurrou os britânicos para o ‘Brexit’. Em grande parte, é o dogmatismo supranacional que está a empurrar os eleitores continentais para os novos partidos ditos populistas. Aos olhos do vanguardismo supranacional, o debate britânico no Parlamento parece um ‘Ovni’ (objecto voador não identificado) incompreensível. Mas o ‘Ovni’ tem um nome que o vanguardismo supranacional tem dificuldade em identificar: chama-se democracia…

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Livros

Um simpático “reaccionário minhoto” /premium

João Carlos Espada

O nosso “reaccionário minhoto” desafia todos os dogmas politicamente correctos. Mas nunca é agressivo; nunca está zangado; e transmite uma atitude critica, mas tolerante, de “live and let live”.

Brexit

Londres depressa /premium

Maria João Avillez

Como se chegou ao encalhe da Grã-Bretanha nela própria? O ar esta carregado de palavras que vão e voltam sem sair do mesmo sítio, o país não parece “desatável” da União Europeia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)